24 de setembro de 2020

HISTÓRIA DA MEDICINA NAS ANTIGAS CIVILIZAÇÕES: COLÓQUIO COM A TURMA 110 ...

A medicina na Antiguidade foi uma coleção de crenças, conhecimentos e experiências sobre a vida, a doença e a morte.
O que sabemos sobre a prática médica nas civilizações antigas é baseado em evidências arqueológicas, objetos votivos e fontes literárias antigas. A maior parte da evidência escrita está preservada em papiros egípcios, tratados atribuídos aos médicos gregos Hipócrates e Galeno, assim como aos tratados da medicina islâmica.
Como a medicina se desenvolveu e mudou desde as civilizações antigas mais remotas ao período clássico na Antiguidade Tardia? Quais as  antigas tradições de cura e os escritos médicos influentes que marcaram aquela época? Como as percepções modernas de nossa antiga herança médica foram condicionadas por circunstâncias e suposições específicas? Estes foram os tópicos de discussão com a turma 110 de graduação em medicina da UFPB.
#historiadamedicina #medicinaantiga #antiguidade #medicinaegipcia #medicinanamesopotamia #antiguidadegrega #filosofiapresocratica #mudançadeparadigma #medicinamagicoreligiosa #medicinahipocratica

CONTRIBUIÇÕES AO FÓRUM “MEDICINA NA ANTIGUIDADE” NO SIGA-A

Inicialmente, é válido destacar como a visão sobre a etiologia das doenças se modificou com o tempo e ao longo das civilizações. Primeiro, nas civilizações antigas como Egito e Mesopotâmia, ainda se via uma concepção ontológica das doenças, uma visão mística e religiosa sobre as patologias, quase sempre associadas à uma noção religiosa e cosmológica. Apesar disso, vemos avanços importantes, trazidos com técnicas das mumificações, importantes para o conhecimento da função de algumas estruturas e também sobre doenças como Diabetes e doenças coronarianas, as quais eram descritas nos papiros egípcios. Na Grécia, observa-se o inicio de uma medicina Empírico-Racional. Com Hipócrates,  inicia-se uma fase mais técnica com o surgimento da racionalidade na medicina,  baseado na causalidade dos eventos e o aprendizado pela experiência, além da sua contribuição para o código de ética, posteriormente.  Com Galeno também temos diversos avanços, nas áreas da fisiologia, neuroanatomia, investigação da anatomia dos rins e coração. Nesse período, vemos também a influência da teoria dos quatro elementos- ar, terra, fogo e água- que seriam a base para todos os seres vivos e a teoria dos quatro humores, a qual une esses elementos aos fluidos corporais- sangue, bile negra, bile amarela e fleuma- passa a explicar a doença como o desequilíbrio entre esses elementos na constituição humana.  A medicina romana traz avanços significativos também, principalmente no tangente à prevenção, com o surgimento de um sistema de saneamento básico, aumentando a noção de higiene ainda naquela época e, consequentemente, melhorando a qualidade de vida das pessoas ao prevenir certas doenças.

LUANNA CYBELLE

 

O estudo de como se concebeu e se desenvolveu a medicina na antiguidade remonta a origem de um questionamento que a humanidade vem se fazendo ao longo de toda a sua história, qual seja entender o processo saúde-doença, bem como se estabelecia o processo de cura. Na antiguidade a medicina tinha um viés atrelado sempre a magia e a religião atribuindo as alterações de saúde a maus espíritos e aos deuses. Posteriormente adquiriu um viés baseado de maneira ainda insipiente no empirismo e na experimentação, o que ainda não deixava de ter relação com a magia/religião, tampouco era algo cientifico. É importante ressaltas os desenvolvimentos na área médica advinda dos conhecimentos dos povos egípcios e gregos sobre a anatomia e fisiologia humana que proporcionaram as primeiras tentativas de compreensão dessa temática. Acerca da teoria hipocrática dos humores, posteriormente sistematizada pela medicina galênica, evidencia-se um entendimento intuitivo e importante de que a saúde tratava-se sobretudo de um equilíbrio fisiológico. Quanto a medicina romana e os conceitos relativos a saúde é marcante o entendimento ainda atual de que a saúde está diretamente relacionada ao meio ambiente ao qual o indivíduo está inserido, e onde foram instituídos meios de melhoria da saúde publica através de obras de saneamento básico, drenagem, banhos públicos e incentivo de hábitos de higiene pessoal.

EMANUEL

 

Ao estudar os fatos históricos do desenvolvimento da medicina na antiguidade um ponto em especial nos chama a atenção, que é o da capacidade de observação do paciente e demais aspectos relacionados à sua condição, como o meio em que se encontra. Os egípcios utilizarem bem essa capacidade no sentido de desenvolver uma rica farmacopeia. Um pouco mais tarde, Hipócrates desenvolveu um sistema empírico para observação do doente, o qual guarda semelhanças com as práticas de anamnese contemporâneas. Os romanos observaram correlações entre o meio e a disseminação de doenças, fato que levou à realização de obras direcionadas à promoção de saúde pública. Assim, convém reconhecer o mérito daqueles que acreditaram no poder da racionalização, trazendo inovações transformadoras.

CARLOS RICARDO

 

Ao estabelecer em um lugar fixo, o homem passou por uma revolução comportamental do qual permitiu o surgimento da medicina. Inicialmente a medicina tinha base de apoio com visões mágicas e crenças religiosas e achavam que as doenças eram causadas por deuses, espíritos, magia e ou maldições e só conseguiria curar através de rituais mágicos para que houvesse a expulsão dos espíritos malignos. As civilizações antigas contribuíram enormemente para a transformação da medicina. Apesar da medicina egípcia ter aspecto religioso, eles deram os primeiros passos para uma medicina empírica com a compilação de uma farmacopeia, desenvolvimento de técnicas cirúrgicas e conhecimento anatômico por meio das mumificações. Já na mesopotâmia passou por uma regulamentação com o código de Hamurabi, impondo limites para prática da medicina. Na Grécia antiga a medicina teve grandes avanços por terem separado a medicina em duas grandes correntes uma sendo a medicina preventiva e outra a medicina curativa e também teve introdução da teoria dos humores no qual consistia em uma harmonia entre os quatros elementos que compõem os seres. A medicina teve contribuição de diversas civilizações, porém em Alexandria a medicina passou por uma grande transformação principalmente nas áreas de anatomia e fisiologia esses avanços só foram possível por ter sido construídos uma biblioteca na qual guardava quase todo o conhecimento do mundo para época e também ter sido construído uma museu no qual assemelhava a uma universidade moderna que permitia estudos das áreas de ciências, literaturas e artes. Na Roma antiga, a medicina foi importada da Grécia por isso essa medicina tem característica em comum com da Grécia, ademais os romanos contribuíram com medicina para divisão de especialidades e a uma assistência gratuita aos pobres. Portanto, como vimos a medicina passou por mudanças ao decorrer da história e tiveram contribuições de diversas civilizações e essas mudanças e contribuições serviu para aprimorar e melhorar o tratamento médico.

EDIBERTO

 

Apesar de não ser o foco, gostaria de trazer uma contribuição breve sobre a Medicina Tradicional Chinesa (MTC), acredito que por sermos em torno de 60 muito já se foi falado sobre os temas trazidos pela senhora. O que eu mais acho interessante é a visão holística do ser humano, buscar enxergá-lo na sua totalidade, não focando somente na doença. Ela é construída tomando como base o Taoísmo e o Confucionismo. Tem como conceitos básicos o equilíbrio do qi (energia vital), yin-yang e a teoria dos cincos movimentos ou cinco elementos. Ela começou a ser formada a partir de observações da natureza que são extrapoladas para o corpo humano. Na MTC existem muitas relações e ligações. Cada um dos cincos elementos está relacionado a alguma parte do corpo, alguma emoção, algo na natureza. Da mesma forma como existem partes do corpo, meridianos (trajetos da energia vital pelo nosso corpo), emoções e sensações que podem ser classificadas como Yin ou Yang. O que na medicina ocidental é entendido como doença, para a MTC é na verdade um desequilíbrio da nossa energia. Esse processo pode ser dividido em três fases: desequilíbrio de energias, desequilíbrio funcional e desequilíbrio orgânico. É somente nessa última fase que a doença tornar-se-ia perceptível para a Medicina Moderna Ocidental. Eles não veem a doença como algo pontual, um evento único, mas como um processo evolutivo, que primeiro se manifesta com pequenos incômodos, evoluindo para algo bem maior. O objetivo da MTC é tratar o processo do desequilíbrio nas duas primeiras fases. O que leva ao desequilíbrio vital (adoecimento) é a interferência de fatores externos e internos, seriam as energias perversas e emoções.

MARIA CLARA

 

A história da medicina  domina um espaço na história da humanidade por ser a precursora  de todo o conhecimento que viria a ser a ciência médica. É capaz de retratar a doença e cura desde o momento em que são compreendidas como um castigo dos deuses, até a magia da medicina científica. Nos encantou a medicina hipocrática quando  trata dos quatro humores e a importância que esses  elemento representam  para a vida como um todo.  É a oportunidade que  tem-se de retornar as origens e perceber o nascer de cada acontecimento no seu tempo e lugar. Foi fantástico esse momento de aprendizado.

NORMA SUELI

 

O que mais me chamou a atenção foi a constatação de que a medicina, como uma produção cultural humana, foi concebida de formas distintas em distintas sociedades e em distintas épocas. De fato, como produção humana, reflete a forma de pensar da sociedade e do tempo em que ocorre. Assim sendo, torna-se necessário perceber que, em tempos nos quais a sistematização filosófica, ou racional, do conhecimento não existia, e os povos conheciam o mundo por meio de mitos e crenças mágicas, as doenças e as formas de cura e tratamento eram também concebidas de maneira mágica, com curandeiros, xamãs, etc. E, com a evolução da forma de conhecer os fatos do mundo, com o advento da observação e da forma empírica de se pensar, também a medicina evoluiu, como se viu na civilização egípcia. Contudo, o surgimento de uma medicina empírico-racional não elimina o fato de que ainda existem crenças mítico-religiosas que interferem na prática médica. Aliás, até hoje, após milhares de anos e incontáveis revoluções e evoluções no mundo da ciência e da filosofia, o pensamento mítico-religioso continua a existir e interferir nas produções e culturas humanas. Enfim, na civilização grega, com a sistematização do pensar racional, com os primeiros filósofos, os pré-socráticos, a medicina também acompanhou essa evolução. Inclusive, é interessante notar que os pré-socráticos tinham enorme interesse pela busca da arché, a substância inicial/fundamental de onde tudo deriva. Aliás, é justamente nesse ponto que se diferem os pré-socráticos dos poetas gregos (que perpetuavam os mitos e as crenças religiosas): enquanto os poetas explicavam o mundo de maneira mágica, os filósofos buscavam na natureza elementos que explicassem os eventos do mundo. Assim sendo, pensadores como Tales, Pitágoras, Heráclito, Parmênides, Demócrito, Empédocles, entre vários outros, contribuíram para a filosofia, buscando conceber a substância inicial do universo. E foi justamente Empédocles (da teoria dos quatro elementos) que influenciou Hipócrates a produzir a sua teoria dos humores. A influência dos pré-socráticos na medicina grega também pode ser medida pela importância que a observação da natureza e do ambiente têm para a concepção de doença, saúde e cura.

GUSTAVO

 

Após ler os textos, lembrei-me da criatividade e inteligência dos povos da Antiguidade que não se resumiram apenas às artes e à arquitetura, mas também conseguiram alcançar diversas áreas, como a medicina. Apesar das limitações e da mistura com aspectos mágico-religiosos, ainda assim é admirável o reconhecimento da doença e a seriedade com o conhecimento, a exemplo dos 2000 tabletes, muitos dos quais eram como verdadeiros tratados. Na mesopotâmia, é possível observar que o aspecto mágico-religioso predomina, já que a doença era tratada como um castigo dos deuses e os agentes de cura eram adivinhos, exorcistas e sacerdotes. Todavia, é impressionante o fato de já reconhecerem que as doenças também poderiam apresentar causas naturais, permitindo tratamentos lógicos e empíricos, além da existência, por exemplo, de cirurgiões. No Egito, também é possível perceber a visão mágico-religiosa ainda bastante presente, sendo representado pelos vários deuses relacionados a saúde. Todavia, já se observa uma medicina mais organizada, com a presença de vária especialidades e hábitos que ainda estão presentes na prática atual, como a coleta minuciosa de dados do paciente. Por fim, a medicina pós-hipocrática traz ao os dois lados, tanto avanços importantes para a ciência, como a permanência do aspecto religioso. Enquanto na Macedônia, principalmente em Alexandria, era grande o avanço no campo da medicina, representado pelas escolas de treinamento (cada uma com sua interpretação) e novos conhecimentos acerca do corpo devido às dissecções humanos; em Roma, observa-se o predomínio da visão mágica, o que foi, aos poucos, dividindo espaço com saberes gregos.

THALITA

 

Acredito que o que mais me intrigou foi o fato de que, tal qual abordado no artigo, a ciência e religião sempre tiveram um ponto de interseção difuso de certa forma. É notável e curioso o contraste entre a contribuição vital à medicina que a abadessa Hildegard Von Bingen teve em sua época e a persistência da superstição, misticismo e espiritualidade na vivência médica leiga. É interessante notar que, na realidade atual, essa influência ainda se faz presente, em debates como legalização do aborto, reposição de sangue em Testemunhas de Jeová e conhecimento popular/empírico acerca das plantas medicinais, ou seja, continua, para o bem ou para o mal, influenciando a prática médica. Portanto, o estudo da medicina na Antiguidade é vital para refletir acerca das nossas condutas atuais e nossa relação entre espiritualidade e medicina.

LUIZ FELIPE

 

A medicina da antiguidade em geral atribuía causas de natureza espiritual, mágica e religiosa como precursoras de doenças. Criaturas malignas eram responsáveis pelo desenvolvimento de doenças e o tratamento para essas enfermidades se destinava a eliminar espíritos nocivos. Há registros de procedimentos cirúrgicos rudimentares na tentativa de tratar feridas. Alguns desses procedimentos também possuíam caráter religioso e místico, como a craniotomia. Há registro ainda de uso de plantas medicinais no tratamento de algumas enfermidades. No Egito antigo, assim como na antiguidade, o conceito sobrenatural da doença persistiu, contudo não impediu avanços importantes nessa área. Havia 3 tipos de sacerdotes relacionados com a cura. Os sacerdotes de Sekhmet e os magos baseavam sua abordagem nos aspectos religiosos, espirituais e mágicos da doença. Já os Sunus, que eram formados nas "Casas da Vida", onde obtivam conhecimento para tratar doenças, utilizavam-se da observação e anamnese do paciente para desvendar a enfermidade. Cabe ressaltar também que, no Egito antigo, as especializações nos tipos de doença eram muito importantes. A mumificação, ainda, permitiu avanços no estudo anatômico. Diversos tipos de medicação de base vegetal, mineral e animal eram utilizados. Vale destacar que a indução do vômito e da defecação era considerada uma forma de prevenção. Diversos excertos de investigações dessa época, principalmente os Livros Herméticos, são considerados marcos na medicina. Ressalta-se ainda o avanço no entendimento da saúde da mulher, no tratamento de feridas, luxações e parasitoses. Viu-se então uma medicina que, apesar de baseada em aspectos religiosos, espirituais e mágicos da doença, permitiu o desenvolvimento empírico e racional. Com o surgimento da Filosofia na Grécia antiga, o pensamento empírico racional tornou-se prioridade em detrimento do conhecimento fundamentado em crenças. Baseados na observação e racionalidade e dispensando explicações sobrenaturais, os ensinamentos de Hipócrates ganharam destaque, que se fundamentam em princípios norteadores da medicina ocidental até hoje. Em especial, podemos citar a semiologia médica atual, que possui seus princípios abalizados na medicina hipocrática, sendo eles: exploração do corpo (ausculta e manipulação sensorial), anamnese, entendimento sobre o problema (raciocínio diagnóstico), estabelecimento de procedimentos terapêutico e prognóstico. Hipócrates aplicava a Teoria dos Humores na medicina, que preconiza o equilíbrio de quatro fluidos corporais (sangue, fleuma, bílis amarela e bílis negra) como fundamental para saúde do corpo humano, e que esses fluídos estariam relacionadas a áreas específicas do corpo. Uma das técnicas de recuperação era a eliminação desses fluidos, por isso técnicas como sangria era utilizada. Esses princípios foram aplicados na medicina ocidental até o século XVII-XIX, em que se acreditava que a retirada de fluídos do organismo, por meio da sangria, forçando o vômito e a defecação, seria uma forma efetiva de tratamento. Hipócrates não só valorizava as causas ambientais, como água suja, qualidade do ar, locais com muitos mosquitos, como desencadeadores de doenças, como também valorizava a boa alimentação para promover saúde. A medicina na Roma Antiga sofreu forte influência dos gregos, com Galeno considerado o maior médico desse tempo. Ele perpetuou os conhecimentos de Hipócrates, defendendo a Teoria dos Humores e a importância da observação clínica. Galeno escreveu cerca de 500 tratados de medicina e farmácias e inspirou a medicina durante muitos séculos seguintes. Sua grande contribuição pode ser associada à preocupação com a Saúde pública, promovendo a construção de sistemas de aquedutos e encanamentos, a drenagem para evitar proliferação de doenças e a construção de áreas de banhos públicos para higiene pessoal. Também realizou algumas descobertas anatômicas e fisiológicas, entre outras as artérias como condutoras de sangue, os rins como órgãos excretores de urina. Viu-se, portanto, que, apesar de uma medicina rudimentar, avanços importantes foram promovidos ainda na época antiga. Alguns avanços ainda possuem forte influência na medicina atual, como o princípio da observação, anamnese e raciocínio diagnóstico, assim como o desenvolvimento de ações voltadas para saúde públicas, que se mostram como fundamentais para promover a qualidade de vida atualmente. Além disso, a questão de  associar a doença à aspectos religiosos ou sobrenaturais ainda persistem em diversas sociedades do mundo, principalmente na populações mais pobres, que recorrem à curandeirismo e rituais como forma de tratamento.

DAVI JOSE

 

O entendimento do processo saúde-doença na antiguidade começa, em geral, num sistema mágico religioso, com enfermidades relacionadas a divindades e a cura a rezas, amuletos, etc. Com o avanço da civilização o processo empírico-racional é desenvolvido, com formação de especialidades médicas no Egito, avanços exponenciais em anatomia, fisiologia, farmacologia, patologia e cirurgia, nesta e em várias outras populações humanas. Desse modo, vale enfatizar a importância dos conhecimentos desenvolvidos tanto no ocidente quanto no oriente, sendo deste primeiro, as tradições responsáveis pelas de práticas de cuidado dogmaticamente seguidas pela nossa civilização por muitos séculos. Essas tradições greco-romanas têm alicerce, historicamente, nos preceitos gregos de Hipócrates, que se preocuparam com todo o contexto ambiental, além do fisiológico do paciente, alavancados, então, por Galeno e a sociedade greco-romana, que construiu os preceitos da saúde pública e do saneamento, e por fim, solidificados nas sociedades seguintes, por quase 2 milênios. Assim, ressalta-se, como na atividade síncrona, a importância do conhecimento da história da medicina, visto que foi possível observar a origem e evolução de pontos básicos da medicina, sem os quais a promoção de saúde atual estaria impotente.

YANN NICHOLAS

 

Fico feliz que os meus colegas de classe me ajudaram bastante ao falar historia da medicina, já que muito pouco do que foi compartilhado eu conhecia. A prática da medicina antiga era muito primitiva, com os mais experientes analisando poucas observações e mudanças. Já com os primeiros relatos e experimentos de Hipócrates a medicina se constituiu na crença de que os males do corpo humanos eram as diferenças da liquidez presentes no organismo. Após isso, ainda foi elaborada uma teoria de que a condição de saúde era provocada pelo equilíbrio dos quatro humores do ser humano, porém também foi descartada.  A medicina na época de Galeno já foi melhorada e o próprio médico viveu umas ascensão na época médica, conseguindo um melhor estudo sobre a saúde em geral. Além disso, depois, a medicina em Roma já era avançada em relação a saúde sanitária e conseguiu contribuir bastante para a melhora da saúde da população em geral.

JOSE ARTHUR

 

Com as leituras feitas sobre o estudo, pude perceber que vários aspectos da medicina da antiguidade são aspectos defendidos e usados na medicina da atualidade, apesar da rudimentariedade e criticas feitas sobre as práticas antigas. Como por exemplo o símbolo da medicina e da prescrição médica que tem associação com símbolos da antiguidade: a cobra (Bastão de Asclépio) e olho de HórusNas civilizações antigas, no Egito, os povos sabiam que as doenças também eram transmitidas através das moscas, só que correlacionavam com algo sobrenatural. Isto mostra que apesar das limitações e das crenças mágico-religiosas os povos antigos já percebiam algumas noções vistos até hoje. No antigo Egito havia médicos para cada órgão, isto é, havia especializações das áreas da medicina que existe nos dias atuais. O que achei muito importante também é que na época já tinham regulamentada as leis para a sociedade, inclusive para os médicos pois estes tinham benefícios mas também tinham sanções quanto a ocorrência de erros sobre um paciente (código de Hamurabi na Mesopotâmia). Apesar das críticas feitas sobre a medicina mágico religiosa, até hoje existe este sentimento voltado para a divindade quanto ao processo de cura, tanto que hoje existe a disciplina de espiritualidade no curso da medicina que mostra a importância da espiritualidade do paciente. Na medicina hipocrática houve uma mudança desse paradigma, em que se deu mais ênfase às observações e desenvolveram um caráter crítico reflexivo, o que trouxe mais racionalidade à medicina junto com a filosofia através de Hipócrates que criticou a noção de doença como um castigo dos deuses, defendendo que a doença era um  fenômeno natural. Algo que achei também importante é o facto de que nessa época examinavam o paciente com a anamnese e técnicas de semiologia que são fundamentais na medicina atual. Na Roma, achei interessante o facto de que já existia alguns instrumentos de cirurgia como o bisturi e os espéculos e se faziam a limpeza desses instrumentos, o que existe até hoje. Outro ponto importante é a preocupação com a saúde pública pois havia saneamento ambiental e fazia-se banhos públicos. Também na Roma, os médicos tinham uma posição muito privilegiada na sociedade, facto que é percebido até nos dias atuais. Houve uma certa preocupação quanto ao tratamento dos doentes mentais, como também da saúde da mulher. E não menos importante, a Biblioteca de Alexandria que foi muito importante por contribuir para a evolução da medicina e o surgimento da Escola de Medicina que como era permitido o estudo integral do corpo humano e as dissecações fez com que houvesse um grande avanço do conhecimento sobre a anatomia e o funcionamento do organismo, principalmente por Herófilo e Erasístrato.

PATRICIA ROSSANA

 

Após a leitura dos textos de apoio e de observar as discussões sobre a prática médica no mundo antigo, eu pude perceber como a interesse de tratar doenças e entender o processo de adoecimento são necessidades naturais do ser humano. É interessante notar também que o modo como a doença é explicada está diretamente relacionado com a cultura local e com o pensamento vigente. O deus sumério Enki - denominado EA pelos assírios -, ocupava o papel de antecessor dos médicos ao mesmo tempo que era conhecido como "senhor das Águas". Essa associação tem íntima relação com o estilo de vida dos povos da mesopotâmia, uma vez que estes - situados na região do crescente fértil, entre os rios Tigre e Eufrates - eram povos essencialmente agrícolas e seu meio de subsistência estava baseado na água, seja ela pluvial ou fluvial. Outrossim, outra relação que podemos estabelecer é entre a forma como a medicina é pensada e o modo como a civilização elabora hipóteses sobre o universo e a natureza. Ainda tomando por exemplo os sumérios, é notória a crença desse povo na influência dos astros sobre os fenômenos da natureza e sobre a sociedade, tanto é que eles construíam os Zigurates que, além de templos religiosos e estabelecimentos comerciais, exerciam a função de observatório para os corpos celestes. Esse modo de entender o mundo se fazia presente nas práticas médicas por meio da figura do Baru, que tinha o papel de fazer adivinhações (baseadas em uma série de métodos, dentre eles a astrologia) para encaminhar o doente para o profissional que ele considerasse adequado. Já quando observamos a Grécia do período pós-homérico, a dominância da filosofia sobre o mito se manifesta na medicina: Hipócrates, Aristóteles e seus contemporâneos rejeitavam a ideia que alguém pudesse se tornar enfermo em razão de uma vontade divina. Outro ponto interessante da discussão sobre a medicina na antiguidade é perceber como o entendimento sobre o corpo humano e as técnicas terapêuticas de um povo tiveram grande influência daqueles que lhes precederam. Isso, na minha visão, se deve ao fato de haver a preocupação de preservar documentos para perpetuar esse conhecimento, como houve desde a biblioteca criada pelo rei assírio Assurbanipal para abrigar tábuas de argila até a famosa biblioteca de Alexandria - o que denota o papel fundamental que a escrita teve para impulsionar o desenvolvimento da humanidade, sendo a principal invenção que marca o mundo antigo.

JOÃO ALFREDO


Tendo em vista que a saúde e as doenças são inerentes à vida humana, compreende-se que as práticas voltadas à manutenção da saúde do indivíduo vão sempre estar presentes nas civilizações. Portanto, as práticas da medicina mágico religiosa que existiu na antiguidade expressam bem como a humanidade sempre buscou associar o conhecimento existente em sua época para a busca da sua saúde. Mesmo estando intimamente relacionada com a religiosidade, observa-se que o empirismo dos rituais e tratamentos mais eficazes utilizados para o tratamento de doenças era constante nas práticas dessa época. Exemplo disso no Egito antigo era o fato de que as doenças e a morte eram associadas à putrefação e, como se sabia que a deterioração dos alimentos ocorria no estômago e no intestino, algumas ações eram feitas como via de prevenção, como cuidados na alimentação, uso de enemas e a realização de preces. Além disso, na mesopotâmia também era possível observar isso no tratamento para infecções oculares, onde era feito um preparado de cerveja e cebola, a cebola levava o indivíduo a lacrimejar, umedecendo os olhos com lágrimas, que, por sua vez, possuem uma enzima de ação bactericida chamada lisozima, sendo posteriormente realizados outros rituais para a expulsão dos maus espíritos, que seriam os responsáveis pelo adoecimento. Esses e muitos outros exemplos demonstram como a medicina mágico-religiosa também estavam relacionados com os resultados empíricos das práticas. Com o surgimento da medicina empírico-racional, o estudo das doenças e das condições de saúde humana começaram a se basear puramente na prática e na observação e esses estados não seriam mais enxergados como uma ação dos deuses contra o ser humano. Hipócrates de Cós, médico grego e um dos principais nomes dessa nova medicina, passou a criar um sistema para o tratamento das doenças com base na observação, pregando de que a cura sempre era realizada pela natureza. Com essa separação da medicina da religião, as enfermidades passaram a ser observadas como consequências de fenômenos naturais. Tais preceitos foram, posteriormente, adotados também por Galeno em Roma. Como uma forma de estruturar o seu conhecimento adquirido pela prática, Hipócrates veio a formular a teoria dos quatro humores, que estabelece a existência de quatro líquidos no corpo humano, estando cada um associado a uma parte do corpo. A saúde seria advinda do equilíbrio desses quatro humores dentro do corpo, e o excesso de um ou mais desses líquidos levaria o corpo ao estado de doença, sendo os sintomas a reação do corpo a esse excesso. Na Roma antiga, a prática médica não veio a se distinguir muito da feita na Grécia, no entanto, alguns fatores como a regulação do médico como uma classe profissional são marcantes para a história da medicina. Os pioneiros para a prática da medicina em Roma eram, na verdade, médicos gregos, Galeno e Dioscórides. Galeno foi fortemente influenciado pelas teorias de Hipócrates, o que o levou a aplicar e a aprimorar as mesmas.

RAPHAEL JOSÉ

 

Vários aspectos da medicina da antiguidade são de importante estudo e observação. Entre eles, me chamou atenção, principalmente no Egito, o alinhamento da magia/religião com a prática e descoberta de técnicas e até da formação de uma farmacopeia, exemplificando como o conhecimento popular, baseado na observação e no teste ao longo de muitos anos, pode ser válido e correto, mesmo que não seja científico. Mesmo assim, esse conhecimento é muitas vezes renegado e completamente ignorado na prática médica e no meio científico, apesar de muitos casos serem provados cientificamente séculos depois de serem propostos. Do outro lado da moeda, vale salientar que certos fitoterápicos podem ser legalizados, no Brasil, apenas pelo teste popular (após um período determinado de tempo conhecido de sua utilização), demonstrando uma legislação que reconhece o saber popular. Além disso, a medicina greco-romana também se destaca por valorizar a razão e a observação de forma mais intensa, influenciada pelo desenvolvimento da filosofia. Novos métodos (hipocráticos) surgiram, baseados na observação e na Teoria dos Quatro Humores, considerando desequilíbrios entre o paciente e o meio, focando menos na patologia em si, essa técnica, séculos depois, foi fundamental para o desenvolvimento da homeopatia e para o desenvolvimento da medicina contemporânea. A interpretação dos sonhos, outro método muito utilizado na época, chama atenção por ser, mais tarde, um conceito chave da psicanálise. Essas semelhanças ajudam na compreensão da importância da quebra de paradigma trazida pela abordagem racional da medicina, base para o desenvolvimento da ciência médica séculos depois.

CRISTIANO HENRIQUE

 

Um pouco da Medicina na Antiguidade já me era conhecido, mas muitos detalhes, além de me acrescentarem, me fizeram perceber o quanto desde essa época já crescemos em alguns aspectos mas, em outros, ainda nos aproveitamos tanto das descobertas e métodos antigos. De maneira especial, a Medicina Alexandrina me trouxe encanto e, concomitantemente, espanto: o conhecimento do corpo, a dedicação em compreender suas funções, as escolas e até o pioneirismo na patologia e a psicoterapia - iniciar descobertas sempre é a parte mais difícil, e fizeram tanto! Sem muita base, mas juntando todos os conhecimentos possíveis em sua biblioteca, agrupando bons pensadores/profissionais, observando, analisando, comprovando, nomeando... A Medicina foi honrada nessa época por tantos esforços e paixão.

ANNA TRYCIA

 

Ao estudar a medicina na Antiguidade, deparei-me com povos bastante ansiosos por entender o processo de saúde-doença. Devido à forte presença da religião nas sociedades, como no Egito e na Mesopotâmia, a explicação mais plausível para eles, na época em que estavam, eram a de que os deuses eram responsáveis por provocar as enfermidades, caracterizando, por isso, uma prática "médica" místico-religiosa. No entanto, eles não deixaram de desenvolver avanços presentes inclusive, nas sociedades atuais. Uma dessas contribuições é a especialização médica, no qual cada médico é responsável por cuidar de uma parte do corpo. Além disso, eles já tinham uma farmacopeia riquíssima, que contava com mais de 2000 fórmulas. Ademais, com a mumificação, os egípcios deram os primeiros passos em relação ao processo de conservação de corpos ou peças anatômicas. Em relação à medicina na Grécia Antiga, podemos começar falando da teoria de Hipócrates sobre os quatro humores, a qual reflete bastante sobre o pensamento filosófico da época, o qual estava buscando estender o "arché" do universo, através dos elementos da natureza. Logo, Hipócrates para tentar explicar mais racionalmente e empiricamente a medicina, buscou se basear nessa teoria e afirmou que, para uma pessoa se manter com saúde, é necessário haver um equilíbrio entre a fleuma, a bílis negra, a bílis amarela e o sangue, os quais representam, em ordem, o sistema respiratório, baço, fígado e coração. No entanto, acredito que, quando essa teoria relaciona a prevalência de um desses elementos, a características temperamentais dos indivíduos, há uma certa mística nessa relação. Já sobre Galeno, podemos falar que ele foi um dos mais respeitados médicos e filósofos da história, já que desenvolveu as primeiras noções sobre circulação pulmonar e sistêmica e sobre a hipótese do corpo ser comandado pelo cérebro, além de desenvolver a experimentação com animais, já que a dissecação de humanos era proibida na época. Ao analisarmos Galeno, vemos como o poder da autoridade é difícil de ser combatido, já que só conseguiram comprovar os erros de algumas de suas teorias na Revolução Científica. Outrossim, refletindo sobre a medicina em Roma, pode-se perceber que, nessa época, houve uma regulamentação da prática médica, como se fossem códigos de conduta, nos quais se determinavam o que os médicos podiam ou não realizarem. Como produto desses códigos, ficou proibida a prática, por médico, de abortos e da negação de assistência a enfermos. Ademais, nesse período, houve a valorização dos médicos, fato refletido pela dispensa nos serviços militares. Além disso, é necessário destacar que tal valorização é presente até os dias atuais, já que os médicos têm uma boa remuneração e um elevado respeito perante à sociedade.

YASMIN MARIA

 

Inicialmente, sobre as praticas médicas na antiguidade, é válido ressaltar que, apesar de todo o conhecimento escasso sobre tratamentos e causas das enfermidades, tem-se a visão dos elementos que influenciam o processo saúde-doença, como por exemplo: os preceitos abordados na medicina hipocrático-galênica, a qual tem uma preocupação com o ambiente, alimentação, anatomia, entre outros. Elementos esses que, nos dias atuais, têm-se suas importâncias comprovadas no processo de adoecimento. Além disso, é importante ressaltar que a mudança para o processo empírico-racional é um enorme passo para as práticas médicas até os dias atuais. Isso porque, a partir desse modo de análise, foi possível o surgimento de todo um conhecimento tanto prático como científico acerca das causas e tratamentos das enfermidades. Com esses avanços a prática médica foi evoluindo cada vez mais, passando a ser considerada algo primordial para a sociedade, como mostra todo o processo histórico de Roma. A partir de Roma temos o início da pratica médica como uma categoria profissional, fato que foi de extrema importância para a reestruturação da sociedade local e, ademais, a constituição de uma base para a medicina atual. Isso porque, além dos estudos sobre o funcionamento do corpo humano, foram desenvolvidos processos de exames e ferramentas que auxiliavam os médicos no tratamento da população. Com isso, é nítido perceber os avanços da medicina com o passar do tempo através de todo esse processo histórico e como eles se mostraram e se mostram fundamentais para a medicina atual, como base para todos as práticas desenvolvidas na nossa sociedade.

LUCAS

 

A grande característica da medicina antiga é o suporte em crenças míticas e religiosas. A análise desse contexto é fundamental para entendermos a evolução do entendimento de cura e cuidado ao longo da História e como essas antigas percepções continuam a influencia e moldar o modo de viver de uma parcela da população. A partir do surgimento da Filosofia, o entendimento do ser humano e sua interpretação a partir dos fatos anatômicos e clínicos ganhou força. Os antigos dogmas e crenças míticas começaram a perecer dando lugar a racionalidade lógica da Filosofia. Assim, percebe-se a grande influência da mentalidade filosóficas dos médicos antigos, sendo tal fundamento defendido por Galeno, o qual dizia que "O melhor médico é também um Filósofo". Para finalizar o comentário sobre a aula, é importante frisar a importância de figuras como Hipócrates e Galeno e suas propostas em construir uma medicina mais racional. O maior exemplo disso é a Teoria dos Humores, formulada por Hipócrates e aperfeiçoada por Galeno. Essa teoria dizia que a saúde partia do equilíbrio entre os quatro humores, ou fluídos, corporais, que, ao meu ver, teve grande influência no conceito de homeostase corporal.

DAVI

 

A primeira coisa que me chamou atenção foi a ciclicidade da história, pois muitas vezes ao estudarmos sobre algo ou sobre a forma de pensar de determinadas civilizações, podemos crer que é algo muito distante de nossa realidade. No entanto, ao realizar a leitura dos textos propostos, pude enxergar que apesar de ser característica dos primórdios, quando não ainda não se tinha conhecimento filosófico, científico e tecnológico, a medicina mágico-religiosa está novamente em evidência, com uma ?roupagem? diferente, e um bom exemplo disso são as Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS) -  reike, reflexologia, cromoterapia, entre outras-, institucionalizadas pelo SUS (pela Portaria GM/MS no 971, de 3 de maio de 2006 e que foi ampliada em 2017). Quanto a medicina do Antigo Egito, achei muito interessante a organização do cuidado, dividindo em especialidades médicas, isso evoluiu e também encontramos na atualidade. Chamou-me a atenção também o fato de que embora os egípcios tenham construído um conhecimento básico sobre anatomia a partir da prática de mumificação, como era realizada com finalidade religiosa, não houveram tão significativos avanços (mas que serviram para embasar estudos futuros). Os grandes avanços no conhecimento das áreas básicas (que julgo mais importantes -  a anatomia humana e a fisiologia) só ocorreram a partir da Escola Médica de Alexandria, quando se incentivou as práticas de dissecações humanas. Elas possibilitaram a Herófilo ser considerado o pai da Anatomia Humana, por ter descrito os diversos órgãos e funções. Além disso, destaco a importância da observação para o avanço no conhecimento médico ao longo da história. Ademais, compartilho que a leitura dos textos me levou refletir também sobre o quão difícil deve ter sido a transição do pensamento mágico-religioso para o empírico-racional (hipocrática-galênica). Sempre imagino essas quebras de paradigmas entre as formas de pensar das civilizações como um processo lento que deve ser complicado. Nesse caso supracitado, a filosofia teve uma indiscutível relevância e ainda hoje apresenta, apesar de nem sempre receber o devido reconhecido. Outrossim, também vale destacar o legado de Hipócrates, que também revolucionou a forma de pensar, mostrando que as doenças não eram causadas apenas pelo que pregava o pensamento mágico-religioso. Os filósofos pré-socráticos acreditavam que a matéria-prima da vida eram os quatro elementos: água, terra, fogo e ar, e isso possibilitou a Hipócrates formular a teoria dos quatro humores (sangue, fleuma, bile amarela e bile negra), que afirmava que a doença seria o resultado do desequilíbrio desses líquidos corporais, revolucionando o pensamento da época. A respeito da medicina romana, o que me chamou atenção foi a posição privilegiada que os médicos tinham naquela sociedade, privilégios que só aumentavam ao longo dos anos e isso tornara a profissão mais atraente. É possível fazer um contraponto com a atualidade, onde a medicina ainda é um curso altamente atraente e um dos cursos mais concorrido do país (se não for o mais concorrido). Isso me levou a refletir sobre os reais motivos que ainda tornam a medicina, na atualidade, o curso mais procurado por tantos.

CAMILLA VANESSA

 

Havia comentado durante a aula que achei interessante o fato de, inicialmente, em Roma, os médicos terem uma posição prestigiada na sociedade. Com a isenção do serviço militar isso se tornou ainda mais evidente. Apenas posteriormente ocorreu uma regulamentação da prática médica e, em troca da subvenção do Estado, os médicos deveriam atender gratuitamente a população menos abastada. Além disso, destaco o fato de os médicos terem sido proibidos de realizarem abortos ? algo que ainda é muito discutido hoje. Porém me chamou muita atenção um ponto colocado aqui no fórum por minha colega e também discutido na aula síncrona: o pensamento mágico-religioso segue bastante presente no cotidiano. O SUS, por exemplo, adotou várias práticas integrativas, como a homeopatia, o reiki, a shantala, a quiropraxia, a aromaterapia, entre outras, e não são raros os relatos de melhoras importantes obtidas por meio delas.

MARIA EDUARDA G.

 

Ao conhecer mais sobre o desenrolar da medicina pela antiguidade, algumas coisas me chamaram a atenção. Primeiramente, desde os egípcios, é muito legal entender que quanto mais observações eram realizadas acerca do doente e do processo saúde-doença, mais a medicina se desenvolvia, com avanços farmacológicos, anatômicos, fisiológicos e demais conhecimentos nesse contexto. A observação e razão foram tomando lugar ao simples ato de interpretar os fenômenos de maneira mística e sobrenatural, apenas para resolvê-los, como uma representação de certa frustração pela falta de conhecimento real, na época. Assim, os principais personagens da história da medicina na antiguidade foram atribuindo suas contribuições, embora nem todas tenham sido acuradas, passando-as adiante, de modo que, em algum momento da história, perpetuavam-se por aderência de fiéis às teorias, ou findavam-se por numerosos descrentes ou observações empíricas-racionais contrárias. O mais interessante, para mim, é perceber que toda essa história teve uma longa construção ao longo do tempo, com muitos esforços, atrasos e conquistas, contando com diversos protagonistas, e que, em todas as fases dela, o conhecimento prévio serviu de base para atualização ou seguimento das informações já adquiridas.

MATHEUS S.

 

Após a leitura dos materiais sugeridos e de outros a parte, alguns pontos sobre a discussão da medicina na antiguidade chamaram a minha atenção. A priori, é interessante notar como a visão mágica ou religiosa sobre a doença e a cura, tão comum nas civilizações antigas pela necessidade de se ter alguma justificativa para o adoecimento, ainda pode ser percebida na atualidade, embora haja explicações científicas para grande parte das doenças. Como exemplo, pode-se citar a crença de muitos fieis de que líderes religiosos possuem a capacidade de curar enfermos, já que por diversas vezes há o entendimento de que a doença tem o significado de como está a relação da pessoa com o Espírito Santo. Além disso, outra prática frequente, especialmente em cidades do interior do nordeste, é recorrer às chamadas "rezadeiras", mulheres que em geral fazem uso de ramos de plantas para benzer quem as procuram para a cura de alguma enfermidade, demonstrando que o misticismo popular ainda se faz presente nos dias atuais. Outra observação pertinente diz respeito à organização da medicina no Egito, onde já havia a diferenciação de médicos de acordo com especialidades. Ademais, me chamou a atenção o fato de que mesmo sem um conhecimento científico os egípcios foram capazes de realizar cirurgias durante a antiguidade e, ainda, graças à prática de mumificação, de nomear algumas partes do corpo e atribuir funções a determinados órgãos. Por fim, é significativa a contribuição romana à saúde pública, uma vez que essa civilização se preocupava com medidas de prevenção, entendendo a importância da aplicação dessas práticas para o bem-estar da população. Dessa forma, os romanos foram responsáveis por promover a limpeza das cidades e pela criação de um sistema de saneamento básico, o qual recebeu o nome de cloaca.

JOYCE

 

Ao estudarmos a Medicina na Antiguidade, é interessante observar como as diversas culturas e povos elaboravam sua prática médica, buscando identificar a causa da doença e alguma forma de mitigar. Na Mesopotâmia, por exemplo, podemos observar que havia uma tentativa de explicação, dividindo as doenças em naturais ou divinas e, assim, baseando o tratamento a partir da origem. Ademais, outro fator interessante, é que os povos da antiguidade buscavam atribuir a algum órgão específico as funções vitais. Nesse sentido, os mesopotâmicos atribuíam ao sangue, os assírios-babilônicos tinham o fígado como centro dos pensamentos, a Escola Pneumática (medicina Alexandrina) atribuía a respiração como sendo vital. O desenvolvimento da Filosofia foi, sem dúvidas, um dos grandes marcos para a civilização ocidental, repercutindo, inclusive, na medicina. Nesse âmbito, Aristóteles foi um dos grandes nomes, criando as bases da zoologia e da anatomia comparada, além de estudos em áreas como a embriologia, psiquiatria e saúde pública. Bebendo, certamente, da filosofia, Hipócrates, considerado o Pai da Medicina Ocidental, baseava sua prática na observação. Buscando uma causa para as doenças, criou a Teoria dos Humores. Estabelecendo que o corpo era composto por quatro humores - a saber, sangue, fleuma, bile amarela e bile negra -, Hipócrates afirmava que o processo de adoecimento era fruto do desequilíbrio desses humores. Interessante entendermos que, de certo, a doença, na forma como compreendemos hoje, é fruto também de um desequilíbrio de algum processo fisiológico. Além disso, vemos também a influência da filosofia no pensamento hipocrático, pela tentativa da racionalização da medicina. Galeno bebe diretamente na fonte de Hipócrates. Por sua vez, defendeu a teoria de Hipócrates, associando os quatro humores ao comportamento humano (REZENDE, 2009). Outrossim, associava a prática médica ao raciocínio e a experiência, importante para seu desenvolvimento; impulsionou também a neuroanatomia, descrevendo o cérebro como centro das sensações e do pensamento.

ARTHUR ANTONIO

 

De início, elogio os comentários realizados pelos colegas na aula síncrona. Um dos tópicos que me chamou atenção foi o fato do Egito, mesmo tendo uma medicina caracterizada por rituais mágicos e crenças, ter uma medicina ?organizada? sob a perspectiva da sistematização e especialização de médicos com maior experiência em determinada doença ou acometimento. Inclusive o próprio Faraó dispondo de vários médicos especialistas para tratar de possíveis doenças que esse poderia desenvolver. Ainda falando do Egito, destaco a importância dada a Imhotep, que foi deificado após sua morte. Interessante ressaltar que até os gregos que tinham grandes intelectuais relacionaram Imhotep a Esculápio, deus da medicina. Outro ponto interessante, agora da medicina em Roma, reside no fato da admiração popular ao médico, situação que perdura até os dias de hoje, na maior parte do tempo. além disso, Roma é conhecida historicamente pela questão legislativa, o que atingiu também a medicina, já que houve regulamentação da profissão e distinção em algumas categorias como médicos militares, médicos de escolas de gladiadores, de circos e de municípios. Até que no século II foi imposto uma espécie de “prova de título” para quem desejasse exercer a medicina e mais tarde no século IV houve a proibição da realização de abortos e de negar assistência em saúde as pessoas.  De forma geral, a medicina na antiguidade foi dando pequenos passos para estabelecer alguns princípios que vemos até hoje. No entanto por muito tempo foi impedida de crescer pelo apego das pessoas da época a preceitos religiosos e dogmas, tal como ocorreu na escola de medicina hipocrática, que após sua morte deixou de ter o prestigio que outrora havia tido.

LEONARDO

 

Como de costume as discussões na hora da aula foram bastante pertinentes, logo, nesse fórum irei retomar alguma, bem como acrescentar meus comentários pessoais. Sob um primeiro enfoque, algo interessante é semelhança entre a tendência de especialização médica na Antiguidade e na atualidade, esta já desenvolvida e apresentando imensa diversidade, aquela por sua vez com formatos ainda arcaicos e pouco plural. Assim, nota-se que sociedades como Egito e Mesopotâmia já tinham conhecimento do qual amplo eram os saberes médicos. Outro ponto pertinente foi a contribuição de Hipócrates e sua prática médica para o desenvolvimento e construção do conhecimento racional, crucial para uma transição de medicina mágico-religiosa para empírica, notando a influência que o meio ambiente tinha sobre a saúde. Além disso, Hipócrates elaborou a teoria dos quatro humores que representou um marco na investigação causa-solução de doenças, na qual 4 humores relacionavam-se com áreas específicas do corpo estando diretamente relacionados as suas alterações. A medicina grega como um todo foi baseada na observação, algo que se perpetuou ao longo das sociedades e é responsável por nossos maiores avanços. Ademais, mesmo a Medicina Romana tendo recebido muitas influências gregas, ela apresentou marcas próprias como uma maior preocupação com o estudo anatômico e grandes avanças nas melhorias de saúde pública.

GELIELISON

 

As discussões da última aula síncrona, sobre a medicina na Antiguidade, foram bastante proveitosas e repletas de curiosidades. Aqui, trago alguns pontos do conteúdo que despertaram o meu interesse.  A princípio, é válido notar como a busca pela cura por diferentes meios sempre esteve presente nas civilizações desde os tempos mais remotos; apesar dessa ?origem da Medicina? não possuir um caráter científico, mas sim mítico. A partir dos comentários discorridos a respeito da presença de práticas de cura na atualidade, com aspectos mais espirituais, lembrei de uma tradição muito forte em algumas regiões do país, sobretudo em áreas mais interioranas: o papel das benzedeiras ou rezadeiras. Essas mulheres exercem elevada influência em alguns locais,  e muitas pessoas recorrem às suas preces quando são acometidos por um mal. Assim, percebe-se que a relação típica do início da Antiguidade, entre o âmbito da espiritualidade e às práticas médicas primitivas, ainda prevalece na sociedade de alguma forma.  Logo, considero que compreender e respeitar essa perspectiva cultural, inerente ao ser humano, é algo importante no processo de cuidado. Sobre a transição das práticas míticas para as racionais, a associação com o surgimento da Filosofia chama bastante atenção. O desenvolvimento das atividades filosóficas, por intermédio dos filósofos da natureza, resultou na contestação do sobrenatural e no fortalecimento da racionalidade para a explicação dos acontecimentos. Com isso, já que a construção na História reflete o contexto da época, os conhecimentos médicos também começaram a ser estruturados em bases mais sólidas a partir da aplicação de lógicas de pensamento. Essa ?interdisciplinaridade? original poderia ser mais aplicada na realidade da área da saúde a fim de favorecer a compreensão do ser humano em sua completude, visto que a Filosofia possui a reflexão sobre a vida e a visão ampla dos fatos como fortes características. Tal concepção era defendida por Galeno,  que afirmava: "O Melhor Médico é também um Filósofo".  Com relação à Antiguidade Clássica, as figuras de Hipócrates e Galeno têm grande representatividade para a História da Medicina. É impressionante observar a contribuição de cada estudioso para a trajetória de construção e de evolução das práticas médicas. Um exemplo disso é a utilização, por Hipócrates, da Teoria dos Quatro Elementos de Empédocles para embasar a famosa Teoria dos Humores, a qual foi sistematizada por Galeno a fim de entender o organismo humano e explicar as suas desordens. Portanto, a temática dessa aula permitiu a obtenção de um vasto conhecimento sobre diferentes sociedades antigas, demonstrado a relevância da contribuição de cada povo para a existência de inúmeras das práticas médicas que são utilizadas na atualidade.

CANDIDA VIRLLENE

 

Novamente, as discussões iniciadas sincronamente foram bastante produtivas. Portanto, irei reafirmar questões inicialmente abordadas e acrescentar algumas observações particulares. Foi realmente interessante abordar o fato de a especialização médica não ser uma tendência contemporânea, mas existente desde a Antiguidade, citando os exemplos egípcio (no qual existiam três tipos de curadores: sacerdotes, exorcistas e sunus) e mesopotâmico (asu, ashipu). Verifica-se, assim, a amplitude do conhecimento e das possibilidades de descoberta nas variadas áreas que envolvem a saúde humana. Outra questão importante a ser considerada é a observação de fatores ambientais tanto no processo de adoecimento quanto na recuperação dos pacientes. Os gregos, por exemplo, já inseriam - em procedimentos de tratamento feito nos asclepiones - a purificação feita através de banhos. Inclusive, a prática da higiene corporal também era bastante comum na Roma Antiga, onde eram comuns os locais destinados a esse fim. A própria medicina hipocrática, crucial no desenvolvimento do conhecimento racional, conferia um valor substancial à influência do meio sobre a saúde; logo, o entendimento da água contaminada como algo prejudicial ou dos insetos como potenciais propagadores de males físicos foi essencial para uma compreensão, mesmo que incipiente, do adoecimento e da cura dos indivíduos. O tópico anterior também remete ao delineamento de duas correntes na medicina, possível de ser identificado já na Grécia antiga: a medicina preventiva, materializada na figura da deusa Higeia? da qual deriva a palavra higiene-, e a medicina curativa, corporificada na existência de Panaceia. Introduzia-se, portanto, a noção da medicina não apenas como um artefato dependente do surgimento da doença; para além do cuidado dirigido a indivíduos afetados por alguma patologia, o médico pode exercer seu papel mesmo na ausência de uma afecção. Atualmente, vemos esse influxo histórico na existência da medicina preventiva como especialidade médica e na presença do um setor primário da saúde dedicado à manutenção do bem-estar dos pacientes, que é a prioridade das unidades básicas do Sistema Único de Saúde. Nesses locais são praticadas atividades de prevenção fundamentais, a exemplo da vacinação e do atendimento pré-natal. Por fim, o estudo das civilizações antigas permite a identificação de traços culturais como determinantes no exercício médico. Pode-se citar a sociedade egípcia e sua elevada dedicação ao entendimento de doenças referentes à saúde reprodutiva da mulher. Uma explicação para isso é que a capacidade de reprodução feminina era extremamente almejada, uma vez que os egípcios desejavam uma família numerosa, posto que os filhos eram tidos como um suporte para os pais durante a velhice, além de serem os encarregados pela manutenção do culto funerário dos genitores. Ainda hoje, a influência de fatores socioculturais é fortemente sentida e capaz de gerar, inclusive, complexos dilemas, como é o caso da transfusão sanguínea para as testemunhas de Jeová. Logo, é necessário ao médico estar ciente da diversidade de fatores que integram a vida de seus pacientes,  os quais, mais do que organismos acometidos por alguma adversidade física ou psicológica, são seres humanos imersos em uma conjuntura multifacetada, particular ao meio no qual estão inseridos, que é determinante para a constituição humana e biológica deles.

IASMIM A.

 

A medicina na antiguidade é rica em fatos históricos que norteiam a compreensão da medicina contemporânea. Sob o aspecto acadêmico, na atualidade, aborda-se a história da medicina majoritariamente fundamentando-a na história das sociedades ocidentais. E traz em seu arcabouço a evolução do pensamento humano sobre o processo de saúde e doença da população, em determinado período da história. Embora algumas práticas pareçam bastante bizarras ao olhar dos nossos dias, elas foram fundamentais para que naquele tempo o homem conhecesse melhor a si próprio sob o aspecto do seu processo de saúde/doença. Nisso, pouco importa se consubstanciado sob teorias mágico-religiosa ou em outras perspectivas tal qual a empírico-racional, mas voltada para um pensamento, ainda que incipiente, científico; onde o viés não era mais os deuses, os espíritos, as magias, onde não se tratava mais das forças das divindades atuando na vida humana determinando a saúde ou a doença do indivíduo. Há um legado da medicina praticada nesse período que não deve ser esquecido, pois a maioria da base de fundamentação científica na medicina moderna evoluiu a partir de preceitos ou práticas médicas daquelas épocas. Há de se ressalvar também os poucos recursos tecnológicos disponíveis para auxiliar aquelas mentes tão brilhantes em suas descobertas e a sensibilidade de suas observações instigadas basicamente pela curiosidade e pela busca do conhecimento. Ademais, não se pode esquecer inclusive das questões éticas do profissional de medicina como as constantes do juramento de Hipocrático que, salvo melhor juízo, é um tratado de comportamento ético que o médico atual adere ao jurá-lo. Um abraço para todos.

ROMONILTON

 

Quando estava estudando a respeito da medicina na antiguidade, o momento que mais me chamou a atenção foi quando Galeno recebeu a proposta de trabalhar em Roma cuidando de gladiadores, aquela não era apenas uma grande oportunidade financeira mas também uma ótima maneira de estudar a anatomia do corpo humano, pois os gladiadores geralmente terminavam a batalha com grandes feridas abertas e vale lembrar que nesse período a dissecação humana era proibida e a dissecação de animais era a principal maneira de estudo de Galeno. Diante disso, achei incoerente um esporte em que gladiadores lutam até a morte ser tão aclamado pelo povo romano enquanto a dissecação de um corpo já inerte e sem vida ser considerada tabu. Outro fato da antiguidade interessante é o Templo de Asclépio que havia na cidade de Epidauro, na Grécia, lá as pessoas ofereciam ao deus Asclépio/Esculápio uma escultura da parte do próprio corpo a precisar de cura. Prática semelhante a esta pode ser encontrada ainda hoje no catolicismo. Na cidade de Paudalho, no interior de Pernambuco, por exemplo, devotos de São Severino dos Ramos costumam também levar esculturas de partes do corpo na esperança de receberem a cura. Por fim, sabemos que nos primórdios a medicina era sustentada pela magia e espiritualismo. A primeira impressão que podemos ter sobre isso é que essa ideia já é bem ultrapassada. Porém, semana passada, assistindo a uma série documental da Netflix chamada "A Indústria da Cura", em que são apresentadas pessoas que acreditam fielmente em práticas de cura alternativa, me dei conta de que essas terapias mais baseadas na metafísica são presentes em nossa sociedade até hoje, seja na aromaterapia, na homeopatia, e na própria religião.

ALMIR

 

Com relação a esse tópico, acredito que as contribuições das teorias utilizadas na antiguidade (como a teoria dos quatro humores), possuem um valor heurístico porque é partir delas que se inicia o pensamento em torno do estudo médico. Sendo assim, funcionam como um ponto de partida. E entendê-las é compreender um pouco de como surgiu o conhecimento contemporâneo na Medicina. A respeito de Hipócrates, penso que a introdução de preceitos éticos e o "empirismo" na prática médica foram fundamentais para começar a discussão de uma medicina mais humanizada e racional, fugindo do misticismo. Por fim, penso que as práticas voltada para a Medicina pública em Roma, como o saneamento e drenagem de pântanos, foram fundamentais para se iniciar um percepção mais crítica sobre o impacto que o ambiente das cidades, e sua grande aglomeração de pessoas, pode ter sobre a saúde da população. Concluindo, penso que a Medicina na Antiguidade tem informações muito pertinentes para a compreensão da Medicina na contemporaneidade.

TIAGO CESAR

 

Após a leitura dos textos disponibilizados e da discussão realizada no encontro síncrono, pude resgatar alguns aprendizados previamente adquiridos na escola, a exemplo das práticas de rituais mágicos repletos de simbolismo que aconteciam no Egito Antigo e na Mesopotâmia e da tão famosa prática egípcia de mumificação, além de conseguir aprofundar significativamente meus conhecimentos relativos à história da medicina na Antiguidade. Achei extremamente interessante entender como se organizava a prática médica em diferentes civilizações e em períodos distintos e percebo o papel fundamental das evidências históricas para se conseguir compreender o funcionamento de sociedades que existiram há tantos séculos, possibilitando uma análise de suas práticas de acordo com o contexto em que estavam inseridas. No Egito, onde, a princípio, a doença e a cura estavam intrinsicamente ligadas a práticas mágico-religiosas, já se tinha certo entendimento acerca de inúmeras enfermidades, como também já se tomavam algumas medidas que, embora rudimentares, eram de fato válidas para determinados tratamentos, a exemplo do uso de talas e bandagens em pacientes com alguma fratura, como relatado no papiro de Smith. Na Mesopotâmia, por sua vez, já existia um regulamento da prática médica com o Código de Hamurabi. Além disso, é curioso conhecer as origens de certos símbolos que se perpetuam até os dias de hoje, como o ?R? cortado nas receitas médicas retratando o “olho de Hórus” (símbolo egípcio que significa proteção e poder) e o próprio símbolo da medicina, uma serpente que representa a regeneração e a cura de doenças, originado na Mesopotâmia. Já na Grécia, com o surgimento da filosofia, percebemos uma grande mudança, a partir da qual os fenômenos passaram a tentar ser explicados por meio de um pensamento racional e o conhecimento deixou de ser baseado em crenças. Nesse contexto, ocorreu uma transição gradativa da medicina mágico-religiosa para a medicina empírico-racional, a qual teve grande influência do pensamento hipocrático. Hipócrates, considerado ?o pai da medicina?, apesar de possuir um conhecimento limitado a respeito da anatomia e da fisiologia humana, deixou um grande legado, constituindo, com seus discípulos, as bases da Medicina ocidental moderna, além de sua grande contribuição à Ética Médica através do juramento hipocrático. Por fim, na Roma Antiga, é valido ressaltar o trabalho de Galeno que, influenciado pelo Corpus Hippocraticum, deu grande importância à avaliação clínica do paciente e, além disso, realizou muitos estudos e desenvolveu teorias na área de anatomia, as quais se perpetuaram, sem contestações, por muitos séculos. Todas essas mudanças e transições ocorridas na área médica ao longo dos séculos foram importantes para chegarmos à Medicina que hoje desenvolvemos e que, com toda certeza, ainda passará por grandes avanços e transformações pelos anos que virão.

LUÍZA

 

Desde os primórdios as civilizações procuravam tentar entender o estado de saúde e doença que ainda eram totalmente desconhecidos para a humanidade. Ligado a divindade desde sempre, esse processo de adoecimento curiosamente tinha correlação, por vezes, ao pecado ou ao castigo dos deuses, e é um conceito que se perdurou por muitos séculos, acho extremamente importante conhecer o início, o quão era importante conseguir explicar esse processo de adoecimento, de forma que conseguimos ver atribuições conquistadas nesse período que ainda utilizamos hoje. Outro fator importante, apesar de poucas certezas conhecidas, Hipócrates deu uma grande contribuição a sua época, ao correlacionar o processo de adoecimento com o ambiente, a água contaminada e até hoje sabemos o quão determinante isso é no processo saúde-doença. O cuidado com a saúde da mulher foi algo que realmente me pegou de surpresa, pois sabíamos que a mulher não era vista como algo que tivesse tanta relevância naquela época, mas acredito que isso se deu devido ao enorme papel social que a mulher tinha que exercer, gerar filhos e para isso precisaria que ela tivesse com sua saúde em dia, ou melhor, seu útero.

INGRIDY SULA

 

Continuando a discussão dos colegas sobre a aula, gostaria de acrescentar que é interessante perceber que com o surgimento da filosofia a forma de pensar mudou totalmente na antiguidade, e que a medicina não ficou fora disso. Com destaque a Hipócrates, evoluindo a medicina na Grécia para uma prática empírica e não religiosa. Apesar de ainda não ser uma ciência a medicina teve grande avanços graças a ele e a tantos outros em relação a sua época. Claro que muitos dos conceitos dito sabemos hoje que não é verdade. Por exemplo a Teoria dos Quatro Humores, que foi a forma na qual Hipócrates conseguiu esquematizar seu pensamento sobre o processo de adoecimento sem a ajuda das tecnologias que temos hoje. E é interessante notar como os pensamentos filosóficos não são dados como verdades absolutas, pois tudo ainda estava sendo descoberto. Galeno apesar de ser influenciado por Hipócrates desenvolveu ou modificou teorias baseadas nos pensamentos dos seus antecessores. Outro ponto interessante sobre a última aula foi perceber o berço da saúde pública, apesar de não se ter conhecimento de quais agente causavam doenças e como elas eram transmitidas, a saúde pública começa a tornar forma no que seria até hoje a medida pública de saúde mais valiosa; o saneamento básico. Fico por aqui com as minhas contribuições, até a próxima aula pessoal!...

MARIA ISABEL

 

A aula dessa semana foi enriquecedora no que diz respeito aos aspectos da Medicina no Egito e na Mesopotâmia, principalmente. Busco, nessa colaboração, abordar melhor os outros aspectos que não foram ditos em sala. A Medicina Hipocrática foi revolucionária em seu período, visto que as enfermidades não eram mais vistas como um castigo de Deus. Hipócrates relacionava a doença com alterações do ambiente, tais como água ruim e locais poluídos, e esperava que a cura viesse pela natureza. Além disso, sabe-se que praticava a observação do paciente e desenvolveu, nessa época, as bases para a semiologia médica atual. Hipócrates desenvolveu a Teoria dos Humores, utilizando como base a Teoria dos Quatro Elementos, de modo que a doença seria provocada por desequilíbrios entre elementos do corpo humano, sendo eles o fígado, o coração, o cérebro e o baço. Como sabemos, Grécia foi ocupada pelos Romanos e, portanto, os médicos romanos eram, na verdade, médicos gregos. Mesmo assim, tivemos diversos avanços a partir da medicina romana, tais como o maior desenvolvimento da cirurgia, saneamento básico, legislação do ensino médico, entre outros. Ainda em Roma, Galeno desenvolveu sua medicina baseada em Hipócrates, além de utilizar os escritos de Aristóteles também. Nesse sentido, fez grandes contribuições para a medicina e chegou a desenvolver um esquema de distribuição do sangue no corpo humano. Uma curiosidade que me chamou atenção no material foi o fato de Hipócrates já ter falado de  "histeria", uma doença das mulheres. Em uma pesquisa mais profunda, descobri que esse termo já era utilizado no Egito Antigo e se tratava da necessidade de o útero se deslocar devido a imperfeição do corpo feminino, chamado de "útero errante" ou de "útero frustrado" pelos Gregos. Acreditava-se que esse fator influenciava todo o corpo, de tal maneira que as palpitações ocorriam quando o útero migrava para o coração e as sufocações quando ele se alojava nos pulmões, por exemplo. Um dos tratamentos utilizados para Histeria era o casamento, associando essa doença a repressão sexual. Durante a Idade Média, o diagnóstico de histeria poderia levar uma mulher a ser chamada de bruxa e ser levada para a fogueira. Atualmente, já se sabe que a histeria é um distúrbio mental que pode afetar tanto homens quanto mulheres.

YASMIN

 

Em relação à medicina pós-hipocrática, destaco para os colegas e Prof. Rilva a interessante discussão sobre a medicina em Roma. Primeiro, com a expansão do Império Romano e a conquista do território grego a partir de 146 a.C., ocorreu um interessante fenômeno de mescla entre a organização social romana e grega, porém, em relação à medicina, alguns autores criticam a terminologia “medicina romana” por uma peculiaridade: não houve esse sincretismo, diz-se que a medicina em Roma - perceba a diferença no termo - foi grega na “língua, doutrinas e práticas”. Isso se deve à profunda dicotomia entre o que se praticava de cuidados em saúde nos dois polos. Em Roma, antes dos gregos, a medicina tinha uma base fortemente rural, assentada em prescrições com ervas, mel, leite associadas a fatores que garantiriam a eficácia do tratamento: ingerir a mistura e caminhar por quatro horas, pular três vezes, entre outras. Por outro lado, como vimos, a medicina na Grécia tinha concepções que deslocavam o eixo de entendimento sobre a doença para o corpo humano, com conhecimento avançados sobre anatomia e cirurgia, por exemplo. Por fim, cabe dizer que a  medicina Grega em Roma não esteve isenta de obstáculos. A mudança de perspectiva da prática médica rendeu muitas críticas por parte daqueles mais apegados às concepções tradicionais, os médicos gregos eram, inclusive, chamados de “mestres da verborragia”. Um exemplo claro de como o entendimento sobre saúde-doença está intimamente ligado não apenas às estruturas político-econômicas, mas também aos aspectos socioculturais.

LUCAS CAETANO

 

Boa tarde a todos! Minha contribuição para  fórum vem a partir do questionamento que me ocorreu: " Se a crença da cura mística-mágica-religiosa é algo tão antiga quanto a história das civilizações e tão presente como os dias atuais, a fé é algo instintivo? Jostein Gaarder trata em sua obra " O Mundo de Sofia" que se as vacas fossem seres sociais e culturais com um nível de intecto como dos humanos, seus deuses seriam deuses vacas, mostrando a projeção coletiva de uma divindade inspirada no que já é conhecido, numa busca por tentar explicar os fenômenos que perpassaram através da história da humanidade. A percepção da cura através da mágica, religião, misticismo é algo que ainda vemos muito na atualidade, coisa que ao primeiro pensamento soa tão primitivo ao olhar sociedades como a egípcia, porém nos dias de hoje acontecem com uma nova roupagem, a associação da cura e religião como se uma pudesse ser resolvida por outra.  Entretanto é possível ver o avanço do que mais tarde vamos chamar de apelo científico se desenvolvendo com o passar do tempo: Com os egípcios com a formação da farmacopeia e o começo da idealização da produção de "remédios", primeiros textos, técnicas de mumificação; Na mesopotâmia, com as primeiras leis sobre as práticas médicas, punições; Na Grécia, com as ideias de purificação como jejum, exercícios e banhos. E a partir daí, o pensamento da doença como fator natural foi começando a se desmembrar da visão anterior, que tratava doenças como maldições ou espíritos malignos. Desta forma, teorias como a dos quatro elementos através da filosofia natural começou a tentar explicar a doença a partir de um pensamento mais racional. Na medicina hipocrática com a observação e estudo do paciente, observando coisas como o pulso, coloração, postura do paciente e respiração, coisas que até então fazem parte da avaliação médica dando muito respaldo pra semiologia médica moderna por meio dos passos fundamentais da medicina hipocrática,  sendo eles: exploração do corpo (ausculta e manipulação sensorial); conversa com o paciente (anamnese); entendimento sobre o problema (raciocínio diagnóstico); estabelecimento de procedimentos terapêutico e prognóstico. Assim, finalizo meus comentários, agradecendo a ótima aula que tivemos!...

EVELLYN

 

Oi, pessoal! A discussão de segunda foi muito interessante, e os colegas trouxeram pontos reflexivos e complementares sobre o tema proposto: Medicina nas Civilizações Antigas. Um ponto citado que chama bastante a minha atenção é como sociedades diversas, em tempo e espaços diferentes, criam formas semelhantes de explicar o processo saúde-doença, seja no conteúdo (a exemplo da cobra como símbolo de regeneração e cura, como foi citado por Bia), seja na natureza do pensamento (como exemplo da visão inicial mágico-religiosa). Isso é motivado pela necessidade comum do ser humano de buscar explicações, a fim de se situar na realidade em que vive, sobretudo quanto à saúde, que ocupa posição de importância e vulnerabilidade em qualquer vivência humana. Dessa forma, é interessante perceber que todas as civilizações estudadas partiram de perspectivas mágico-religiosas, evidenciando a magia como propriedade fundamental da mente humana na falta de suporte tecno-científico ou filosófico. Contudo, é relevante notar que a crença nessas práticas supersticiosas e religiosas pode ocorrer independente do avanço tecnológico da sociedade, já que formas de cura não pautadas em evidências ganham espaço quando a racionalidade não soluciona os nossos questionamentos e as nossas necessidades. Como exemplo, podemos citar o contexto favorável à difusão do cristianismo, na transição entre Idade Antiga e Média, no contexto de queda do Império Romano e disseminação de epidemias e pestes, levando ao questionamento da validade das abordagens médicas empírico-racionais. Mas não precisamos ir tão longe, também podemos perceber a busca atual por formas de cura místico-religiosas, sobretudo em situações em que a ciência não é capaz de prover conforto e respostas aos pacientes. Voltando ao ponto inicial que chamou a minha atenção, já que as civilizações confluem na tentativa de explicar o processo saúde-doença, essas explicações se repetiram ao longo da história, permitindo que elas fossem analisadas sob perspectivas diferentes, como foi apontado por Glaudir. Assim, esses padrões foram registrados, estudados e comparados em tempos, espaços e culturas distintos, fazendo com que a Medicina assumisse um caráter cada vez mais empírico-racional. Como exemplo, um dos textos referenciados mencionou esta descrição, em um tablete de argila mesopotâmico, do que depois foi apontado como um paciente com tuberculose: ?O doente tosse muito, seu escarro é denso e às vezes contêm sangue; a respiração soa como uma flauta. Embora sua pele fique úmida e fria, ele tem os pés quentes. Sua muito e o coração bate inquieto?, tipo de registro que permite comparar diagnósticos e tratamentos posteriores. Logo, é possível notar que a observação e a experiência passaram a moldar a prática médica e que a doença passou a ser vista sob uma perspectiva natural, aspectos consolidados com a Medicina Hipocrática e Galênica. Com isso, foi possível que a prática médica passasse a ser mais racionalizada e mais regulamentada, conforme responsabilidades éticas (como retratado no Juramento de Hipócrates) e legais (como no Código de Hamurabi).

KAMILLA

 

Bem, entre os aspectos que mais me chamaram a atenção foi a preocupação tanto dos gregos quanto dos romanos com a influência do meio ambiente na gênese das doenças. Por sua vez, nos dias atuais, sabemos o quanto os aspectos relacionados ao meio ambiente que rodeiam as pessoas, bem como seus condicionantes sociais são determinantes para verificarmos uma maior ou menor risco de adoecer. Preocupações com os hábitos de vida, como a alimentação e ingestão de água potável, eram bastantes importantes na explicação de diversos problemas de saúde. Cabe salientar aqui as contribuições de Roma para os princípios de saúde pública que materializou-se por meio de uma política higienista. Quero destacar também a transição do paradigma mágico-religioso para um entendimento empírico-racional na explicação das doenças. Creio que esta evolução no pensamento contribuiu, definitivamente, para os avanços observados na época e lançou as bases da medicina ocidental. A explicação das doenças enquanto resultado de possessões malignas, maldições, ou castigos divinos, passou a uma explicação embasada no ambiente e costumes do doente valorizando, portanto, a observação como metodologia de avaliação do paciente. Neste mesmo momento histórico também surgiram  leis e códigos que buscavam regulamentar a prática médica. Neste ponto, podemos citar o código de Hamurabi e o próprio juramento de Hipócrates. Por fim, avalio este período histórico da medicina como bastante interessante, uma vez que, é a base da cultura e clima organizacional da profissão médica.

MANASSÉS

 

Oi, pessoal!! Primeiramente, gostaria de destacar um ponto que foi muito citado durante a aula, mas que pude verdadeiramente vivenciar no período passado, demonstrando um pouco de como as práticas médicas da Antiguidade, marcadas pelo pensamento mágico-religioso, ainda são presentes no nosso cotidiano. Em uma proposta do MHA2, meu grupo ficou encarregado de promover um curso de práticas integrativas e complementares e, nos encontros, sempre era citado pelos participantes algum caso pessoal, de amigos ou de familiares, que manifestavam determinada doença e encontraram a cura em alguma terapia alternativa, a exemplo dos florais de Bach. Ainda, enquanto contribuição, trago um dos pontos que chamou mais a minha atenção: a importância da filosofia, de modo a desmistificar um pouco da percepção sobre as enfermidades. Nesse sentido, destaca-se o papel fundamental de Hipócrates, que repudiou a ideia de que essas eram castigos dos deuses, colocando os fenômenos da natureza como as causas. Assim, como falado na discussão do momento síncrono (ao ser citado exemplos como a permanência da cobra como símbolo, uma vez que, na época, era sinônimo de cura), percebe-se, novamente, essa interferência da Antiguidade na prática médica dos dias atuais, uma vez que o método observacional introduzido por Hipócrates formou uma das bases à semiologia. Como apresentado no material disponibilizado pela professora Rilva: "exploração do corpo (ausculta e manipulação sensorial); conversa com o paciente (anamnese); entendimento sobre o problema (raciocínio diagnóstico); estabelecimento de procedimentos terapêutico e prognóstico)" são algumas das relações que podem ser observadas.

MARIA PAULA

 

Boa noite pessoal! Pudemos comprovar essa semana o que foi bastante discutido na primeira aula da disciplina: a medicina está intimamente ligada ao contexto histórico em que se desenvolveu. No caso da Antiguidade, as práticas médicas e as crenças mágico-religiosas andavam lado a lado, caracterizando uma confluência entre pensamentos de sociedades separadas por décadas na História ? mesopotâmicos, egípcios, gregos e romanos. Algumas dessas superstições persistem, inclusive, até os dias atuais, como o símbolo semelhante ao "Olho de Hórus" egípcio presente nas prescrições médicas e a adoção da cobra como símbolo da Medicina, representativo da cura e da regeneração, segundo os povos sumérios. Dentre as excelentes contribuições dadas pelos colegas de turma e pela professora durante a aula, um fato que me chamou atenção foi que, na maioria das sociedades antigas, a prática religiosa costumava ser mais permissiva à medicina, estimulando a atuação dos curandeiros e dos sacerdotes, principalmente entre os mesopotâmicos e egípcios-, a prática das dissecações e o estudo de diferentes tipos de fármacos. Em Alexandria e na própria Grécia, a instituição de escolas de Medicina das mais variadas, a exemplo da fundada por Hipócrates, atestava sobre a relativa "liberdade" de pensamento e de estudo que se tinha naquelas sociedades. Ao contrário do que se registrou posteriormente na Idade Média, período no qual a Igreja Católica coibiu severamente a evolução das práticas médicas. Essa reflexão me fez lembrar de “O Físico”, um filme que já assisti e indico. No filme, o protagonista é um jovem médico que, durante a Idade Média, perde a mãe por apendicite, doença que matava centenas de pessoas na época pela falta de cuidados adequados, e resolve então se especializar para tratar melhor de seus pacientes. Mas, na impossibilidade de evoluir frente a perseguição da Igreja, ele resolve viajar para a Ásia em busca de uma escola de médicos milenar, onde os médicos eram valorizados e livres para se aperfeiçoar. Lá, ele encontra a educação que procurava e a medicina que sonhava em exercer e, munido de conhecimentos, volta para sua terra natal para lutar por uma saúde de qualidade para os europeus.     

BEATRIZ IANNI

 

Um fato que eu achei muito válido acrescentar brevemente a essa discussão é como nas civilizações antigas já havia uma regulação legal intimamente relacionada com o código de Hamurabi, primeiro código legal que prezava pela igualdade entre os homens livres. Nesse documento histórico já percebemos que ele punia o erro médico, considerado na época como um prejuízo maior que o benefício no tratamento, tendo o médico que pagar com suas próprias mãos ou seja perdendo a capacidade de realizar seu ofício. Com essa lei mais antiga podemos perceber que já existia uma preocupação da época com os possíveis danos que poderiam ser causados por uma prática médica equivocadas e que ao longo dos anos houve uma progressão das leis com relação ao erro médico que vão até os dias atuais.

GABRIEL ÂNGELO

 

Tendo em vista as discussões que foram realizadas na aula remota e o material disponibilizado pela professora Rilva, diversos pontos me chamaram a atenção. Inicialmente, gostaria de abordar acerca da medicina primeiramente praticada no Egito e na Mesopotâmia, onde havia ainda uma relação muito intrínseca com a religião, com as doenças sendo consideradas um castigo dos deuses e para tratá-las seria necessária a intervenção de um sacerdote, além da crença de que as pessoas já estavam destinadas a tal enfermidade. Esse pensamento, contudo, ainda se reflete em pessoas que acreditam que sua saúde está ligada a decisão divina, a chamada "vontade de Deus" e, por isso se mantêm inertes em relação a sua condição, buscando apenas rezar para sua cura. Apesar disso, vale destacar os avanços nessas duas civilizações no que tange à regulamentação da prática médica(Código de Hamurabi) e à diversificação das atividades médicas(as "especializações" no Egito Antigo). Essas crenças retrógradas contudo, foram abandonadas, sobretudo pelo surgimento da filosofia, que impulsionou Hipócrates a construir a base em que a medicina se sustentaria por muito tempo. A semiologia, por exemplo, com a anamnese, examine do corpo, entendimento da condição do paciente e o tratamento indicado, foi desenvolvida pelo grego, que criou um sistema empírico-racional. Hipócrates também contribuiu bastante com a ética médica da época, através do Juramento de Hipócrates, em que os profissionais deviam se basear. Ele defendia que a saúde era um reflexo do equilíbrio do homem com a natureza, e os excessos deveriam ser assim removidos (métodos como sangria e depleção), como estava constatado na Teoria dos Quatro Humores, em que cada parte do corpo estava associada a um líquido, e seu excesso indicava algum comprometimento. Essa teoria foi sistematizada por Galeno, médico romano que seguia os princípios hipocráticos. Galeno teve avanços na área da anatomia em relação a Hipócrates, embora com algumas descrições imprecisas por se basear apenas em dissecações animais, mas que o ajudou por exemplo a realizar o exame do pulso. Ainda em Roma, outros avanços foram percebidos na época, como a construção de hospitais militares, de aquedutos, que garantiam o saneamento básico, a limpeza das ruas, os banhos públicos e uma condição de higiene geral, assim como a regulamentação do ensino e da prática médica, já que muitos se declaravam médicos sem um controle estatal. Ainda sobre a medicina na antiguidade, vale destacar a influência da Biblioteca de Alexandria, construída na época do Império da Macedônia, e que reunia inúmeros escritos que favoreceram a prática médica, mesclando as ideias ocidentes com as ideias orientais e dando um impulso maior à medicina na época.

GABRIEL C.

 

Tratando-se do período histórico pós-hipocrático, o qual não pudemos nos estender muito durante a aula, gostaria de comentar sobre a importância relacionada a cidade de Alexandria, à época. Partindo de um pensamento atribuído a Bacon, mas presente no "Leviatã" de Hobbes, "scientia potentia est", conhecimento é poder, pode-se notar que o que aconteceu naquela época, naquele lugar, é de se chamar a atenção: o incentivo ao estudo e pesquisa ali encontrados, foi responsável pelo recrutamento de professores e pesquisadores das mais diversas áreas do conhecimento, tendo destaque principalmente aqueles relacionados com os estudos médicos, sendo a medicina como a "grande glória da cidade", esse acúmulo de criação e produção de conhecimento, nas mais diversas áreas, fez com que Alexandria se tornasse o centro do mundo por muito tempo.  É interessante perceber algo muito importante que acontecia naquele lugar: por mais que tudo fosse controlado por chefes de estado, não existia controle intelectual e não havia tolhimento de conhecimentos, segundo o que se sabe hoje. Isto pode ser percebido pela existência de diferentes escolas que estudavam os mesmos temas, porém com abordagens diferentes: no caso da medicina, por exemplo, via-se essa matéria através de ópticas completamente diferentes, seja biomédico centradas, existencialistas, subjetivas, ou humanitaristas, uma escola jamais se sobrepôs a outra. Acredito que isso foi a chave para que a cidade ganhasse o destaque que ganhou quanto ao centro de conhecimento do mundo, à época. Ali nasceram bases anatômicas e fisiológicas que são seguidas até hoje. Tendo-se isso em mente, é fácil entender o porquê de a famosa Biblioteca de Alexandria ter sido prontamente incendiada após a invasão da cidade. Este movimento tático significou a derrota e humilhação dos locais e vitória dos invasores. Isso me trás algumas questões... quantas Bibliotecas de Alexandria ainda se queimam hoje em dia?... (mas isso é questão para outra discussão...) Por fim, apenas podemos imaginar o quanto de conhecimento não se foi, junto às chamas, naquela ocasião... o quanto daquilo foi redescoberto até os dias de hoje? W o quanto daquilo ainda não foi?

JOÃO VÍCTOR

 

Boa tarde, para complementar o presente debate, trago uma reflexão pessoal em torno de uma questão levantada no slide recomendado para leitura, a pergunta era: “O pensamento mágico seria pré-lógico e algo pertencente ao universo dos povos primitivos?” Ao pensar sobre o assunto, pude recordar do livro 2001: Uma odisseia no espaço de Arthur C. Clarke, o qual traz, em seu primeiro ato, seres primitivos tratando o desconhecido, representado na obra pelo monolito, como um objeto mágico com potencial para ser adorado. Tal contexto pode ser utilizado como uma ilustração da relação das antigas civilizações com o instigante desequilíbrio da homeostase corpórea, pois este era relacionado com a mitologia da época, originada pela necessidade humana de explicar fenômenos naturais observados que não possuíam respostas lógicas.  Seguindo mais adiante no universo criado por Clarke, quando chegamos no segundo e terceiro ato, o qual se passa na idade contemporânea, somos apresentados a uma nova forma de relação com o desconhecido, que seria através da ciência. Essa perspectiva também pode ser aplicada na percepção atual do processo de saúde e doença. Entretanto, tal visão, concordante com a corrente de pensamento positivista, o qual considera o desenvolvimento do conhecimento humano algo linear e progressivo, talvez não seja totalmente aplicável à atualidade no que se refere a saúde, pois é possível observar práticas destoantes da medicina tradicional e do método científico no nosso tempo. Um exemplo dessa afirmativa, que pude vivenciar pessoalmente no semestre passado da graduação, foi na realização de um curso, voltado para a comunidade, sobre as práticas integrativas e complementares em saúde, onde alguns participantes trouxeram relatos pessoais de curas ou melhoras através de técnicas como constelação familiar e reiki.

MILENA

 

Ao decorrer da aula de ontem, nós pudemos discutir acerca da história da medicina da antiguidade, mas debruçando sobre o tema, fazer um paralelo entre os dias atuais, como pontuado por alguns colegas, como a especialização e alguns usos como as próteses, além de nos questionar sobre como seremos vistos no futuro. No que tange a minha visão, me encantou muito descobrir a especialização tão forte na medicina como é vista atualmente, como Anna Luísa citou, pois não era algo que eu sabia ou esperava, muito ao contrário, eu acreditava que os médicos daquela época, especificamente no Egito, eram "generalistas". Outro ponto, foi o avanço dos medicamentos e como eles eram utilizados, como ervas, óleos e afins. Ainda nesse período, a preocupação com a saúde da mulher foi um ponto de encanto pra mim, pois sabemos como até a atualidade essa preocupação é muito importante, e entender como começou e a valorização desses princípios ajuda a entender a racionalização do pensamento, não só na ginecologia, como em demais especializações que foram enfoque à época. Na Grécia Antiga, temos ainda a agregação de diversos conhecimentos de vários povos, podendo confluir para a racionalidade na medicina. Ademais, o pensamento de divisão da medicina preventiva e curativa, que permanece até a atualidade, como uma divisão primordial para o exercício pleno da medicina, refletindo em melhor atuação sobre as doenças. Por fim, esses ideais se convergem para a medicina empírica, com entendimento racional baseado na filosofia, com o pensamento de Hipócrates, acerca dos Quatro Humores, e com Galeno com experiências de dissecação, sistematizando a teoria com a prática. Por fim, acho que é válido ressaltar a discussão que foi proposta por Sara, como o futuro vai nos ver? Hoje passando por esse momento de pandemia, por um cenário que  mudou todo o panorama da medicina, quais os avanços e estudos desse momento vão influenciar na medicina futura e quais ficarão para trás? Pontuando tal discussão, podemos refletir acerca da dinamicidade da medicina debruçada sobre a confluência do conhecimento de diversas eras.

ANA KAROLINA

 

No que tange a história da medicina, é interessante observarmos que essa antecede a própria história, pois já se fazia presente antes da escrita. Sendo assim, ainda na pré-história, são encontrados vestígios de práticas ?médicas?, como os fósseis de homens com membros fraturados realocados por meio de talas para a calcificação. Nesse contexto, é interessante considerar a influência mágico-religiosa em procedimentos como a trepanação, que visava não só aliviar a pressão, mas também de propiciar a saída de maus espíritos. Muitas vezes, ao analisarmos a história, esses pensamentos parecem bastante primitivos, mas ainda existem ideias semelhantes influenciadas por questões mágico-religiosas na atualidade, como o nosso colega Eduardo apresentou no debate. Ademais, diante da temática abordada na nossa discussão dessa semana, recordei de um trecho do livro "A Assustadora História da Medicina", escrito por Richard Gordon, que nos traz uma interessante colocação sobre a prática da medicina hipocrática e a coloco aqui para agregar para nosso debate: “O sono que põe fim ao delírio é bom, sono fora de hora e sonolência indicam doença, bem como cansaço sem motivo.” Os velhos ficam doentes com menor frequência que os jovens, mas levam suas doenças para o túmulo. A morte súbita é mais comum no gordo do que no magro. Se uma mulher saudável para de menstruar e sente enjoo, está grávida. Nós todos sabemos essas coisas. Mas Hipócrates foi o primeiro a saber. Nesse contexto, podemos perceber o impacto do sistema racional de Hipócrates na medicina por meio da simples observação, formando as bases da medicina ocidental que conhecemos na atualidade. Como exposto pela professora Rilva, esse pensamento, mesmo simples, foi revolucionário para medicina. Por fim, complemento com o ponto que mais me chamou atenção: que essa perspectiva revolucionária do grego, pautada no exercício da observação se perpetuou ao longo da história e é responsável pelos nossos maiores avanços na área da medicina, seja por meio da análise dos sinais e sintomas na semiologia, ou através de observações a nível celular e molecular que proporcionaram a ascensão de campos de estudo como a patologia, microbiologia, genética e diversos outros.

DANYELLE