16 de junho de 2022

CURSOS LIVRES EM DIVERSIDADE NA SAÚDE PARA ESTUDANTES DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

#diversidadenasaude #graduaçãoemmedicina #ufpb

A necessidade de abordar questões e desafios persistentes em relação à competência cultural e às disparidades étnico-raciais, de gênero e de outros grupos minorizados socialmente na saúde tem sido crescentemente enfatizada, porém ainda é incipiente a sistematização do ensino de competência cultural em saúde no Brasil. É imprescindível que a educação médica atenda a essa demanda em todo o país. A competência cultural na educação médica é definida como um conjunto de atitudes, conhecimentos e habilidades necessários para os profissionais interagirem efetivamente com populações cultural e etnicamente diversas. Trata-se do relato de uma experiência em um contexto educacional particular e em um momento igualmente especial, com o impacto da imersão emergencial no ensino on-line que possibilitou discussões reflexivas sobre o preconceito, a discriminação e o estigma no contexto da atenção à saúde. O presente trabalho tem o objetivo de apresentar o relato de experiência de três cursos livres ministrados na Universidade Federal da Paraíba (UFPB) para estudantes de graduação em medicina durante períodos letivos suplementares.

1 de junho de 2022

EXAME DE CABEÇA E PESCOÇO: INSPEÇÃO E PALPAÇÃO DE LINFONODOS

O exame clínico dos linfonodos inclui inspeção e palpação de todos os principais grupos de linfonodos clinicamente relevantes. Este breve vídeo do "AMBOSS: Medical Knowledge Distilled" mostra a inspeção e a palpação dos linfonodos superficiais da cabeça e do pescoço. #semiologiamedica

8 de abril de 2022

COMPETÊNCIA CULTURAL NA SAÚDE: DEVOLUTIVA DE ATIVIDADE DE PROBLEMATIZAÇÃO

DEVOLUTIVA – UNIDADE I

Apresento uma devolutiva aos meus alunos do Módulo de Diversidade Étnica e Cultural na Medicina, do segundo período da graduação em medicina da Universidade Federal da Medicina (UFPB). Esta atividade foi realizada em grupos e empregada com finalidades avaliativas somativas e formativas. As temáticas foram as seguintes: Introdução ao Estudo da Diversidade Étnica e Cultural na Medicina; Competência Cultural e Diversidade na Saúde; Diversidade Humana e Subjetividade na Saúde; Igualdade, Equidade, Inclusão e Interseccionalidade de Minorias na Saúde; e Diversidade e Saúde Mental.
A presente devolutiva foi projetada para fornecer um feedback a partir do nível de compreensão e desenvolvimento da atividade colaborativa de aprendizagem em quatro grupos de nossos alunos. Isso ajudará a planejar a próxima unidade e analisar o alcance dos objetivos de aprendizagem.
Uma atividade de avaliação formativa monitora e orienta o aprendizado do aluno ao longo de um módulo. É diferente da avaliação somativa, que avalia a aprendizagem em um determinado momento e geralmente é atribuída uma nota, que foi alta nos quatro grupos. O uso de uma avaliação formativa pode fornecer muitas informações sobre o que está e o que não está fazendo sentido para os alunos. Também ajuda os alunos a avaliar onde estão no que se refere ao desenvolvimento de habilidades e competências no módulo e a tomar decisões sobre o que trabalhar e estudar com mais cuidado.
Esta avaliação foi baseada em atividade colaborativa de aprendizagem em quatro grupos de alunos do módulo, seguindo metodologia da problematização, a partir da análise de um a situação-problema para cada grupo.
Em seguida, apresento os enunciados e devolutivas para cada grupo. 

Grupo 1 - ENUNCIADO

Pedro Farias, um paciente negro de 32 anos, desempregado, considerado um “passageiro habitual” do hospital (termo usado para descrever aqueles pacientes que continuam vindo ao hospital pelo mesmo motivo, muitas vezes sendo considerados como usuários de drogas) por médicos do pronto-socorro. Cada vez que Pedro vinha reclamando de dores de cabeça extremas, recebia medicação para a dor e o mandavam para casa. Nesta última internação, ele foi internado na UTI, onde a médica Isadora havia acabado de começar a trabalhar. Quando ela o ouviu descrito como um “passageiro habitual”, perguntou a um colega por que ele era denominado assim. Foi-lhe dito: “Ele não tem nada melhor para fazer; não sei por que ele acha que podemos suprir sua dependência de morfina”. Embora a intuição da Dra. Isadora lhe indicasse que algo mais podia estar acontecendo com aquele paciente, ela observou suas tatuagens, seu comportamento rude e pensou que os colegas tinham razão. Ela encaminhou o paciente para fazer uma tomografia computadorizada do crânio no andar de cima do hospital, já que o protocolo para cefaleia aguda grave preconizava a realização desse exame. Enquanto era conduzido pela enfermeira e o maqueiro para o setor de radiologia, Pedro sofreu uma herniação cerebral por aumento súbito da pressão intracraniana e morreu. Na necrópsia, descobriu-se que ele tinha uma forma rara de meningite e realmente sofria de fortes dores de cabeça.

Aos alunos do Grupo de Trabalho: Analisar a situação-problema apresentada, de acordo com a metodologia da problematização, seguindo os passos do Arco de Maguerez (adaptado). 


Estigma é mais que estereótipo negativo. Estigma e estereótipo são frequentemente usados ​​para descrever comportamentos negativos na sociedade que são direcionados a grupos específicos de pessoas. O dicionário Oxford define estigma como “uma marca de desgraça associada a uma circunstância, qualidade ou pessoa específica”, enquanto um estereótipo é definido como “uma imagem ou ideia amplamente aceita, mas fixa e simplificada, de um tipo específico de pessoa”. Os alunos do Grupo 1 realizaram uma análise abrangente e bem fundamentada da situação-problema apresentada, mas não desenvolveram o conceito de vulnerabilidade, destacado entre os Pontos Chave pelo grupo. Também faltou representar estigma como uma “marca” extremamente negativa para os alvos da discriminação.
Embora as duas definições pareçam semelhantes, e são, existem algumas diferenças marcantes entre as duas. Um estigma é sempre negativo e se desenvolve por causa de um estereótipo. Os estereótipos, embora muitas vezes errados ou parcialmente errados, nem sempre são negativos. Estigma é quando alguém o vê de uma forma negativa porque você tem uma característica ou traço pessoal que se acredita ser, ou na verdade é, uma desvantagem (um estereótipo negativo).
Embora os profissionais médicos se esforcem pelo tratamento igual de todos os pacientes, as disparidades nos cuidados de saúde são altamente prevalentes. Os estereótipos culturais podem não ser conscientemente endossados, mas sua mera existência influencia como as informações sobre um indivíduo são processadas e leva a vieses não intencionais na tomada de decisões, o chamado “viés implícito”. Toda a sociedade é suscetível a esses preconceitos, inclusive os médicos. O uso de drogas é vivenciado como barreira em todas as etapas do atendimento hospitalar. Intervenções para diminuir o estigma e melhorar nossa consistência e abordagem no manejo do doente com dor aguda no pronto-socorro são necessárias para melhorar a qualidade do atendimento e as experiências de cuidado daqueles que podem ou não estar usando drogas.
Pedro foi alvo de estereotipagem e estigmatização, ao ser rotulado como um toxicodependente em suas admissões anteriores no hospital. Se ele não tivesse sofrido estigmatização, que permeou o raciocínio clínico da médica assistente da ala de terapia intensiva, onde ele se encontrava, talvez sua vida pudesse ter sido salva. Esse caso deve ter deixado uma forte impressão em Isadora, a referida médica, que pode ter aprendido a lição de que nunca mais deveria julgar um paciente por sua aparência e confiar mais em sua intuição e olho clínico, não descartando a possibilidade de uma doença grave e aguda no paciente, nem se deixar influenciar pelos outros com base em estereótipos altamente negativos e estigmatização, diante de um doente que ala sequer conhecia.
Embora os avanços científicos nas últimas décadas tenham mostrado que o vício em drogas é uma doença crônica, a visão de que é uma “falha moral” permanece predominante e o estigma associado é persistente. Muitos pacientes sofrem consequências negativas significativas como resultado de preconceito e ignorância. Em muitos desses casos, estar em tratamento foi por si só a base para uma resposta discriminatória. Embora suposições como essas possam não ser diretamente mal-intencionadas, elas podem ter sérias consequências. Na prática médica, essas crenças e estereótipos inconscientes influenciam a tomada de decisão médica
O fato de grande parte do comportamento associado à doença da adicção ser criminalizado muda o cenário tanto para médicos quanto para pacientes no que diz respeito à forma como é tratado. Os profissionais de saúde – mesmo os bem-intencionados – que não reconhecem que o estigma pode ter consequências catastróficas para os pacientes que buscam ajuda no serviço de saúde, não estão atendendo aos melhores interesses de seu paciente ou aderindo ao princípio de “primeiro, não cause danos”.
a contribuição do viés implícito para as disparidades nos cuidados de saúde poderia diminuir se todos os médicos reconhecessem sua suscetibilidade a ele e praticassem deliberadamente a tomada de perspectiva e a individuação ao prestar cuidados ao paciente. Metade dos médicos brancos acredita que mitos como os negros têm pele mais grossa ou terminações nervosas menos sensíveis do que os brancos. Um especialista analisa como noções falsas e preconceitos ocultos alimentam o tratamento inadequado da dor das minorias.
A iniciativa educacional destacou a importância de usar terminologia e linguagem apropriadas ao escrever ou retratar indivíduos com transtornos por uso de substâncias ou indivíduos que estão em recuperação. Esta abordagem ajudou a promover uma apresentação realista da questão, livre de conotações tendenciosas e discriminatórias.
Soluções que podem ser apontadas para combater o estigma nos serviços de saúde são conduzir a análise das atitudes da equipe em relação a questões de saúde relacionadas a drogas nos serviços de saúde, além de realizar treinamento anti-estigma para as equipes de saúde.

Grupo 2 - ENUNCIADO
O relato em primeira pessoa, a seguir, é de uma estudante de medicina que está em treinamento em serviço em um hospital universitário. 

Eu sou estudante de medicina doo internato e estou passando pelo rodício de Pediatria no hospital universitário (HU). Durante uma consulta de pediatria no HU, eu estava acompanhando a preceptora e a residente e aprendendo a realizar um exame físico de um recém-nascido. Enquanto seguia os pediatras até o quarto do paciente, notei que a mãe do bebê, uma mulher de 30 anos, estava sentada ao lado do berço conversando com o marido. A preceptora começou a explicar o que é importante observar em um bebê, o que procurar no exame físico, e passou a me fazer perguntas sobre as causas de pneumonia e meningite no período neonatal. Enquanto conversávamos, a mãe do paciente veio até o berço. Em uma tentativa de acolhê-la em nossa conversa, eu disse “olá” e comecei a parabenizá-la por seu lindo filho. Assim que terminei a frase, a mãe disse “obrigada”, mas notei que ela franziu a testa e seu comportamento mudou um pouco – ela parou de sorrir e parecia nervosa. Perguntei-me o que havia feito de errado, mas logo percebi que essa família era de origem indígena, e minhas palavras complementares destinadas a ganhar a confiança da mãe acabaram lhe causando angústia. Lembrando-me do que aprendi sobre a cultura indígena do “mau-olhado” e ergui o braço direito com a mão fechada, movendo-a até a altura da testa do recém-nascido e com a boca entreaberta sugeri que estava pronunciando algo, então e olhei para a mãe. A mudança na expressão dele foi drástica –sorriu para mim e acenou com a cabeça. Ela não disse nada, mas seu sorriso e aceno de cabeça tacitamente comunicaram sua gratidão por evitar o “quebranto” para seu bebê. Aprendi isso na disciplina de Diversidade Étnica e Cultural na Medicina no P3. A esta altura da minha comunicação com a mãe, a preceptora e a residente já tinham se afastado do berço, mas a funcionária administrativa do setor de neonatologia me olhou de forma assombrada...
 
Aos alunos do Grupo de Trabalho: Analisar a situação-problema apresentada, de acordo com a metodologia da problematização, seguindo os passos do Arco de Maguerez (adaptado), interpretando com base no estudo do processo de desenvolvimento da competência cultural.

A análise feita pelo grupo foi muito boa, atendendo às expectativas de resposta e colocada no escopo da teoria da competência cultural, incluindo a menção à humildade cultural com sua conceituação. Contudo, na fase de teorização, dois pontos chave não foram desenvolvidos: “entendimentos distintos do processo saúde-doença” e  “comunicação inadequada”.
Durante este período desafiador como é o internato médico, enquanto o estudante de medicina está aprendendo a se tornar um médico na prática, muitas vezes é fácil se concentrar no estudo de doenças e abordar um paciente com a perspectiva de ter que descobrir o que está errado com ele e como corrigi-lo. Mas o estudante de medicina não pode apenas se preocupar em lembrar de listas de doenças, suas múltiplas causas, apresentações, diagnósticos, tratamentos, efeitos colaterais de tratamentos e muito mais. O que os estudantes de medicina e médicos muitas vezes esquecem é que a estrutura de crenças de um paciente e de sua família pode ser uma parte muito importante de sua vida e, a menos que esse aspecto seja respeitado, eles não formarão uma relação de confiança com a equipe de saúde para ajudar a resolver o mistério de sua própria condição de saúde-doença. Portanto, o conhecimento da cultura é uma ferramenta essencial que deve ser compreendida e lembrada ao lado da anatomia, patologia, fisiopatologia e semiologia médicas.
O estudante de medicina precisa saber identificar considerações multiculturais do cuidado em saúde. O cuidado de uma criança recém-nascida no entorno de pacientes que fazem parte de grupos culturalmente diversos está permeado por crenças, mitos e costumes resultantes da tradição cultural de uma família. Esse momento contém um leque de crenças compartilhadas por pessoas que integram diferentes grupos, sobretudo em comunidades tradicionais com a indígena. Portanto, é preciso que os médicos se apropriem do conhecimento intercultural para promover o cuidado que as pessoas necessitam e compreendem, mesmo se isso envolve rituais e aspectos mágico-religiosos.
A cosmovisão acerca dos aspectos simbólicos, como fórmulas de rezas e sinais gestuais, é concebido no meio popular como “mau-olhado”, e remontam a uma tradição oral de tempos remotos, em que as pessoas recorrem a rezadeiras e rezadores, investidos de uma memória cultural arquetípica. O fenômeno chamado de “mau-olhado” ocupa a centralidade das práticas de muitas práticas de saúde na população.
 
Grupo 3 - ENUNCIADO
O relato em terceira pessoa, a seguir, é de uma mulher em tratamento de toxicodependência em tratamento de substituição com Suboxone, que procura um pronto-socorro por causa de dor intensa no quadril. 

Fátima tem 55 anos e vive em Guarabira, é viúva, seu parceiro de longa data morreu recentemente, e agora está morando sozinha. Quando Fátima era mais jovem ela costumava tomar uma bebida depois do trabalho e usar Cannabis sativa, "mas não em excesso". Seu companheiro passou a usar heroína e Fátima também começou a usar essa droga nos últimos anos, e está agora no programa de tratamento de substituição de uso de narcóticos. Ela contraiu hepatite C há 25 anos pelo uso da droga. Seu companheiro morreu de cirrose por hepatite C há um ano. No momento, Fátima está em tratamento com Suboxone, para sua toxicodependência de heroína e de morfina, sendo acompanhada por um psiquiatra, e sente que está indo bem.

Ontem, Fátima acordou às 22h30 com uma dor intensa em queimação no quadril. Ela tentou aliviar a dor com compressas quentes e frias. Por volta da 1h da manhã, embora sempre fizesse o possível para não ir ao hospital, Fátima ficou preocupada com a possibilidade de que algo grave estive acontecendo com o quadril e que ficasse sem andar, então decidiu ir ao hospital geral da cidade. Ao chegar à emergência, ela descreveu seus sintomas para a enfermeira da triagem, onde se iniciou o procedimento habitual de atendimento com perguntas sobre uso de medicamentos. Nesse momento, a enfermeira parou, olhou para Fátima, mudou de tom e disse: “Ah, você está usando Suboxone? E tem hepatite C? Tudo bem, então, não diga mais nada”, aludindo à busca de alívio da dor na emergência, sugerindo que Fátima era apenas uma drogadita procurando opioides. Mas ela tinha seu suprimento de Suboxone para uma semana e mais uma caixa trancada no seu armário. Ela não estava procurando alívio ou drogas; ela queria ver um médico para descobrir o que havia de errado com ela. Sentindo-se julgada, Fátima se virou e saiu do pronto-socorro, com dor, raiva e imaginando o que seria necessário para ver um médico e ser tratada como uma paciente “normal”. “Só aquele olhar” foi o suficiente para ela ir embora porque podia ver que seria uma perda de tempo, e que ela não seria levada a sério.

Fátima ainda estava com fortes dores na manhã seguinte e chegou à unidade básica de saúde cedo, conseguindo ver seu médico imediatamente, que diagnosticou o problema como herpes zoster. O clínico geral prescreveu-lhe uma receita para herpes, e ela perguntou se esta nova medicação podia ser usada com o Suboxone. Era uma conversa que ela não queria ter depois com o farmacêutico local, mesmo sabendo que este iria perguntar se ela estava em uso de outro medicamento ao dispensar esta nova prescrição. Por causa dos olhares que ela recebia quando dizia às pessoas que estava em uso de Suboxone, Fátima muitas vezes evitava contar sobre o uso crônico desse medicamento. Ela estava se sentindo doente, só e com vergonha.

Aos alunos do Grupo de Trabalho: Analisar a situação-problema apresentada, de acordo com a metodologia da problematização, seguindo os passos do Arco de Maguerez (adaptado).

 
A análise da situação-problema feita pelo grupo 4 atendeu às expectativas de respostas, com seleção de pontos chave essenciais e coerentes com a questão proposta. Entretanto dois pontos chave pontuados não foram desenvolvidos: “incompetência cultural” e “vulnerabilidade”.
Ficou evidente o entendimento da questão do estigma em torno da saúde mental que torna difícil para muitos pacientes procurarem atendimento profissional em saúde quando precisam, correndo o risco de serem envergonhadas ou julgadas com base em sua condição.
Esse estigma é reforçado pelo estereótipo de que as pessoas com doença mental são hostis ou incompetentes, embora esse não seja o caso. Estigma refere-se a atitudes extremamente negativas (preconceito) e comportamento igualmente negativo (discriminação) em relação a pessoas usuárias e drogas e problemas de saúde mental.
O estigma inclui ter ideias e julgamentos fixos – como pensar que pessoas com uso de drogas e problemas de saúde mental não são normais ou não são como nós; que causaram seus próprios problemas; ou que eles podem simplesmente superar seus problemas se quiserem
temer e evitar o que não entendemos – como excluir pessoas com uso de drogas e problemas de saúde mental de partes habituais da vida e de direitos ao atendimento médico de qualidade.
O conceito de subjetividade desempenha um papel fundamental neste caso. Ao expor brevemente a necessidade de uma compreensão mais profunda da saúde mental, que vai além de uma dimensão biológica, destaca-se a dimensão subjetiva de complexos processos de mudança e as respostas individuais e coletivas. Aproximar-se do conceito de subjetividade pode oferecer os meios para compreender melhor as diferentes formas de sofrimento como resultado de subjetividades socialmente produzidas. Essas subjetividades em todas as suas contradições, pode ter consequências diretas para o reconhecimento dado às necessidades de pessoas com problemas de saúde mental.

Grupo 4 - ENUNCIADO
O relato em terceira pessoa, a seguir, é de uma mulher jovem com diagnóstico de depressão e ansiedade generalizada em tratamento eficaz, que tem restrições de atendimento pelo dentista diante de uma cirurgia odontológica. 

Joana tem 28 anos, atendente de telemarketing, vai ao dentista para uma consulta por dor de dente. Ela tem diagnóstico de depressão, ataques de pânico e ansiedade generalizada de longo prazo, em uso de antidepressivo e terapia cognitivo-comportamental. Joana se sente bem ultimamente e a terapia está sendo eficaz. Ela teve licença por causa de seu quadro psíquico há um ano, mas se sente controlada e voltou a trabalhar normalmente.

O dentista afirma que ela precisará realizar uma cirurgia no terceiro molar no seu tratamento. O dentista lhe diz que acha que ela não está mais preparada para tratá-la por causa de sua condição de “portadora de doença mental”. O dentista justificou essa decisão afirmando que ela poderia ter um ataque de pânico durante o procedimento e ele não estava seguro de realizar a cirurgia.

Aos alunos do Grupo de Trabalho: Analisar a situação-problema apresentada, de acordo com a metodologia da problematização, seguindo os passos do Arco de Maguerez (adaptado).


O grupo 4 desenvolveu uma análise consistente e acurada da situação-problema proposta, incluindo a questão da interseccionalidade (gênero; problema de saúde mental). Todavia, a interseccionalidade não produz uma soma de disparidades na saúde, mas as multiplica, o que é muito pior. Por outro lado, chamo atenção para a distinção entre os conceitos de empatia e alteridade, que foram empregados como se fossem sinônimos. No entanto, na alteridade, uma pessoa reconhece alguém como outro indivíduo diferente dela, enquanto na empatia, uma pessoa reconhece o outro diferente dela, mas também compartilha seu afeto, coloca-se na perspectiva do outro para entender seus pensamentos ou sentimentos. "A relação Eu-Outro" é uma relação "reflexiva" entre "individualidade" e "alteridade" (alter – outro). A empatia é uma forma de projeção que pode não apreender verdadeiramente a alteridade do outro, podendo ser distorcida por preconceitos. Mas no componente cognitivo da empatia, a tomada de perspectiva do outro pode reduzir preconceitos e inibir estereótipos e preconceitos inconscientes. A empatia do médico afeta positivamente a satisfação do paciente, percepções de autoeficácia de controle, sofrimento emocional, adesão e resultados de saúde.
Na situação-problema posta ao Grupo 4, o dentista recusa a realização do atendimento odontológico de Marta devido ao possível  comportamento ansioso e de ataques de pânico que sugerem seus antecedentes pessoais patológicos na sua visão. Essa atitude sugere discriminação decorrente do estigma da doença mental. Se o dentista não puder justificar apropriadamente essa decisão e recusa em realizar a cirurgia dentária de Marta, tratando a paciente dessa maneira sem um motivo racional, ou seja, se não demonstrar que foi uma atitude apropriada e necessária na referida circunstância, essa conduta do profissional pode ser considerada como discriminatória. O estigma muitas vezes vem da falta de compreensão ou medo. Os julgamentos dos outros quase sempre decorrem de uma falta de compreensão e não de informações baseadas em fatos.
A estigmatização ainda existe dentro da própria comunidade médica. O estigma associado à saúde mental engloba discriminação e exclusão de pacientes psiquiátricos e dificulta suas oportunidades de ter uma vida mais produtiva e satisfatória. Além disso, o estigma também existe entre os profissionais de saúde e, portanto, dificulta a oferta de tratamento e cuidados.
Qualquer grau de incerteza que um profissional de saúde possa ter em relação à condição de um paciente pode contribuir para as disparidades no tratamento. O profissional depende de inferências com base no que podem ver sobre o problema que traz o paciente e no que mais observa sobre o paciente (por exemplo, antecedente de doença mental). Ele pode, portanto, agir com base em suas crenças anteriores sobre a probabilidade das condições dos pacientes, “prévios” que serão diferentes de acordo com idade, sexo, status socioeconômico e raça ou etnia. Quando esses antecedentes são considerados juntamente com as informações coletadas em um encontro clínico, ambos influenciam a decisão médica.
Além disso, os profissionais de saúde têm a obrigação de respeitar as normas éticas da sua profissão.

Imagem: Progress in Mind: world-mental-health-day-2020

23 de março de 2022

MINORIAS SOCIAIS NA SAÚDE: DIVERSIDADE, EQUIDADE, INCLUSÃO E INTERSECCIONALIDADE

#minorias #diversidade #equidade #inclusão #problematização #medicina #UFPB

Este vídeo é uma devolutiva de atividade de problematização da turma de graduação em Medicina do segundo período no Módulo de Diversidade Étnica e Cultural na Medicina, enfocando a importância da equidade, diversidade, inclusão e interseccionalidade de minorias sociais no contexto da saúde.

Esta atividade em grupos de problematização seguiu seguintes etapas em sala de aula em 14.03.22 por meio do Arco de Maguerez: 1. Partindo da observação da realidade em relação aos tópicos propostos para a identificação de situações-problema para o desenvolvimento da investigação; 2. Refletindo sobre os possíveis fatores e determinantes maiores do problema e definição dos pontos-chave da pesquisa a ser feita; 3. Investigação de cada um dos pontos-chave definidos, buscando informações na internet e analisando-as para responder ao problema, compondo assim a teorização; 4. Elaboração de hipóteses de solução para o problema; 5. Aplicação de uma ou mais das hipóteses de solução, como um retorno do estudo à realidade investigada.

21 de março de 2022

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE CONTEÚDO: Parte 2 de 2

#analisedeconteudo #pesquisaqualitativa

Este vídeo é a segunda parte de uma apresentação sobre os fundamentos da análise de conteúdo.

A parte 1 desta apresentação está disponível em: https://youtu.be/DEbOpNolWCo

19 de março de 2022

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE CONTEÚDO: Parte 1 de 2

#analisedeconteudo #pesquisaqualitativa

Pesquisadores qualitativos novatos muitas vezes se assustam com a perspectiva de realizar análise de conteúdo e, portanto, podem enfrentar muita dificuldade no início do processo. 

Este vídeo é a primeira parte de uma apresentação de noções introdutórias à análise de conteúdo, explicando os fundamentos dessa metodologia de análise. É um vídeo introdutório para aqueles estudantes que não são ainda experimentados no método e, portanto,  destina-se a estudantes de graduação e pós-graduandos recém-iniciados na pesquisa científica de abordagem qualitativa e no método da análise de conteúdo, ou seja, trata-se de uma introdução aos princípios e prática deste método.

A análise de conteúdo é um método empírico poderoso para analisar textos e expor conexões ocultas entre conceitos, revelar relações entre ideias que inicialmente parecem desconexas e informar os processos de tomada de decisão associados a muitas práticas de comunicação técnica.

Há um reconhecimento crescente do importante papel desempenhado pela pesquisa qualitativa e sua utilidade em muitos campos, incluindo o contexto da saúde.

5 de março de 2022

UMA PRIMEIRA CONSULTA MÉDICA SIMULADA NA INICIAÇÃO AO EXAME CLÍNICO

#exameclinico #consultamedica #semiologiamedica #CCMUFPB #UFPB #simulaçao #educaçaomedica

Um importante marco da graduação em Medicina é a iniciação ao exame clínico durante o quarto período do curso, quando o estudante veste um jaleco branco pela primeira vez, obtém o seu primeiro estetoscópio e realiza a primeira anamnese. Existem diferentes técnicas que podem ser usadas ​​para o treinamento de habilidades de comunicação na educação médica, sobretudo na consulta médica, que é uma ferramenta fundamental da prática clínica e cuja importância deve ser sempre reforçada nos cenários práticos de ensino-aprendizagem.

A comunicação eficaz é a pedra angular da medicina centrada no paciente e do comportamento empático, assim como na construção do "rapport". Para o treinamento de habilidades de comunicação, pacientes simulados podem ser usados ​​tanto no ensino quanto no exame de habilidades de comunicação.

Neste vídeo, os estudantes de graduação em medicina da UFPB, Gabriel Fernando Vasconcelos Teles e Iasmin Nunes Duarte, da turma 111, realizaram a primeira simulação de uma consulta ambulatorial na sua segunda semana na disciplina de Semiologia Médica, após uma aula teórica sobre consulta médica e comunicação com o paciente. Paciente simulada por Iasmin foi uma mulher de 49 anos com queixa de dor torácica. Na simulação, orientei Gabriel e Iasmin a não incluírem o exame físico. A gravação foi realizada por Thomaz Feijó de Albuquerque, da mesma turma, e com o público dos demais colegas da turma 111, em uma sala de aula do Centro de Ciências Médicas da UFPB.

Agradeço a meus alunos Gabriel, Iasmin e Thomaz pela primeira simulação e gravação de uma consulta neste semestre de 2021.2. Eles consentiram verbalmente com a publicação deste vídeo de interesse educativo, porém a qualquer momento poderão retirar seu consentimento, quando verterei esta publicitação à modalidade "privada".

14 de fevereiro de 2022

PROJETO "COMUNICAÇÃO SANITÁRIA GOVERNAMENTAL NA COVID-19": I REUNIÃO DE ORIENTAÇÃO

Reunião de orientação de grupo de pesquisa da graduação em Medicina da UFPB, com quatro graduandos do quarto período, para alinhamento de ideias e atividades. Enfoca-se, nesse projeto, a comunicação contida nas plataformas digitais oficiais de órgãos governamentais de saúde no Brasil e na Paraíba para enfrentar a pandemia da doença pelo novo coronavírus 2019 (COVID19) no cenário de gestão de risco vigente no ano de 2020. Questões relevantes e de impacto do ponto de vista técnico-científico e socioeconômico demandam a análise de “o quê” e “o como” foram externalizadas as comunicações emitidas oficialmente pelas entidades de saúde nos vários âmbitos para conhecimento e a  informação relacionada à pandemia pela população no ano de 2020.

O nosso objeto de análise neste projeto são os conteúdos da comunicação de risco na crise sanitária da COVID-19 no município de João Pessoa-PB, no estado da Paraíba e no Brasil em 2020, que foi um interstício crucial de tempo para a comunicação de risco sobre a pandemia. O objetivo geral do estudo é explorar e analisar as estratégias de comunicação de risco das autoridades governamentais de saúde quanto à pandemia de COVID-19 por meio de seus portais digitais on-line oficiais no ano de 2020.